Artwork / Paintings / Etchings / Music & Art News / General News

Art / painting

May 2019

Among other things, this is as we know – the month that marks 500 years of Leonardo’s  having departed..
(May 2nd, 1519 – Amboise, France)

 

 

 

 

 

 


Also, on the 7th (today) we come to the moment that that marks Tchaikovsky’s 179th date of birth .
It is just a simple, and humble reminder that I leave here – as I recall that it had been fortunate for us that both had walked the Earth.

 

 

 

 

 

 

 

 

KONICA MINOLTA DIGITAL CAMERA

.


Abril / April – 2019

I beg your indulgence as – some images, and videos, may take a moment to become fully visible.
Best Wishes, to whomsoever should come upon this post.

 

 

 

(Red Carnations – By Pomar, image via FB – courtesy of the Júlio Pomar Foundation)

 

 

 

(Psalm: John Coltrane – Fouth movement from ‘A Love Supreme’)

 

 

 

 

(Ella Fitzgerald, born April 25th – singing April in Paris, via Jazz Corner | FB page)

 

 

 


(article)

 

 

 

(article)
LINK – https://www.franceculture.fr/emissions/le-reveil-culturel/john-coltrane-jazz-mystique-et-revolutionnaire  

 

 

 

 

(article)
LINK – 25A40 – O som do cravo | Um concerto em três tempos.

 


 

 

 

(Bach – choral from – St Mathew Passion | BWV 244 , Harnoncourt – Arnold Schoenberg Chor, Concentus Musicus Wein, Wiener Sangerknaben)

 

 

(Bach – Final chorale – St John Passion ”Herr, unser herrscher” (chorus) | Gardener, Monteverdi Choir, The English Baroque Soloists)

 

 

(Megaloschemos II | Bulgarian Orthodox Hymn)

 

 


(article)
LINK – https://www.jornaltornado.pt/chico-buarque-revolucao-portuguesa/

 

 

 


(Os vampiros – Zeca Afonso)

(Cantigas do Maio – Zeca Afonso)

 

 

 

 

 

(Georges Moustaki – Ma Liberté)

(Zeca Afonso – Redondo Vocàbulo)

 

Poster - 25th April '74 | Cartaz : O menino do Cravo - fotografia de Sergio Guimarães

 

 

 

 

 


(and still, because it is April 25th, and Thursday)

 

(Tarkovsky Quartet – Nuit blanche)

 

 

(Harmónicos – Jorge Peixinho)

 

 

 

 

 

 

Abril


(Acordai – Lopes Graça | Lisboa Cantat)

 

 

 

 

 


 

 

 

 

 


3 haiku

 

a fractal casting
of Euclidean silence
dances on my leg

 

 

 

a rustling of leaves,
tangents – timidly pacing
the night  on each foot

 

 

 

 

 

 

 


 


©

sprawled upon the ground
lay many moving shadows.
– just shuffled through three.

(this very moment..)

 

 

 

 

 

 

 

 

.


Sicilian Tercet

- I was to give this to the man who enspired it, but my mom insisted on having it - ♥ with his blessing

 

Each sonnet difts in a slumber of hosts

with wings extended glide the depths of night,

all lines surrendered, untangled their ghosts.

 

Guided by form,  accounted by texture,

a blanket, thick woven, fashioned through flight,

all placed, all aligned – thought, whim and gesture.

 

They play, they soar, they dip in pirouettes

never fumbling, they moor, come without fright,

encircling, danced – embodied minuets.

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

To feel the earth beneath your aching feet

and pace the depths of your sole’s (soul’s) perceptions

past the glaze of Time’s preordained retreats.

 

Cometh the dawn with merriments and
______unto swirl and line entangled

 

 

 

 

 

(90 + 30 + 17  = 147 | 147 + 3 ∈ ) 


Astraeus unBound

 

There is an absence of Time when dusk comes upon the soft blue blanket, ebbing ever so gently.
I hear only the surface, a supple murmur,
Coeus is shifting
as I sink into Panthalassa’s ghostly remains.
Remains?
Nothing remains but the soft whisper
growing louder
as each grain pronounces an astral beat
within a song of the ages.

 

 

 


 

sandbox_GuidaAlmeida

 

 

 

 


(© originally published without its title elsewhere, August 25, 2017)

 

  • Astraeus and The Blue Hour – part two***
    (Astraeus unBound)

Astraeus and The Blue Hour – part one
(Astraeus Bound)

Astraeus and The Blue Hour – part three
(Astraeus & Zephyr)

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

.

 

 


an old painting of a young pianist at his post, at intermission

guida_2oilpaintCarl_lostpaintings_photoManuelaSandeFreire

Man & his piano – GA  (a lost work, oil on hardboard –  © painting photographed by  M Sande Freire) 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

.


Batatas, mas fritas.. (por construcções)

 

 

 

na busca de um qualquer paraíso, idílico  Estar, onde espírito, sentindo repouso porém sem adormecimento dos sentidos, desejos, e anseios por algo (que são coisas que nos acordam), e sem que se canse, aqui ou ali, pelas vicissitudes da vida, no se Ser e no Devir, de etapa em etapa, que se cruza / sobrepõe /  ou corre por intervalos ao longo do tempo *….

(Tempo, aquele espaço que tem um fluir, numa direcção aparente, mas que pelos filtros e limites de nosso entendimento, que por graça não é perfeito (que alivio, não o ser, não é?) – vai num ou noutro sentido, por vezes mais, por vezes como se numa geometria das esferas, em bola, ou coisa assim)

* …onde uma pessoa o idealiza, buscando-o, desejando-o, no local de origem, ou noutro,

é uma busca motora existencial, tanta vez, e para tantos, e natural, mas,
onde a vida (amor, lutas, et cetera) e seu palpável sentido, aquando / a quanto – busca, ela própria que mói, ou pode moer, é aqui que uma pessoa vê,
– o significado que pode ver (entre outras, mas sobretudo este) num maratonista.  (E não só isso, naturalmente. Nem no boneco (do maratonista), nem na busca).

 

 

 

 

 

________________________________________________________________

– que construcção mais estranha de frase a que acabo de ver, em mim, como producto que se dá ou recebe, por nós mesmos (logo à partida), mas da qual cada vez mais é difícil em lhe fugir, serão cascas de uma qualquer cebola, metafórica, do Ser / Estar / Devir ?
Não sei bem.
Mas, tanto faz (creio).

 

 

 

 

Vou fritar umas batatas. ”Ó mãe, o cão está a ladrar..”.
hmmmmm… Onde é que pus o telefone? , eu ouço-o mas não o vejo… ”Ó mãe…”
( bolas, acabei de pisar uma coisa que se colou aos pés..). Cão anda cá, não precisas ladrar assim, que coisa.. Onde está a bola?

Uf, guitar,cello study III

oil on paper © G.A


…..em tom de fuga

 

 

India_Ink_on_paper_GuidaAlmeida03_2016
Ink on paper, Guida Almeida – 03 / 2016

 

Vincent_van_Gogh_-_Sunflowers_(Metropolitan_Museum_of_Art)
 Two Sunflowers –  oil on canvas, Van Gogh 1887 

 

enamelRedAndIndiaInkOnPaper_GuidaAlmeida_03_2016
 mixed media on paper, 33,5cm x 42cm, G. Almeida, 03 / 2016

 

Vincent_van_Gogh_-_Bloeiende_pruimenboomgaard-_naar_Hiroshige_-_Google_Art_Project
 Bloeiende pruimenboomgaard  (naar Hiroshige) – oil on canvas, Van Gogh 1887

 

1890-Vincent-Van-Gogh-Amandier-en-fleurs-Huile-sur-Toile-73x92-cm-Amsterdam-Rijksmuseum-Vincent-Van-GoghAlmond Tree Blossoms – Vincent Van Gogh,  oil on canvas,1890

 

blossomsPhotoGuidaAlmeida
photo – G. Almeida
sans titre_parJeanPaulRiopelle1955

 

 (Ink & Watercolour on paper,
Jean Paul Riopelle 1955)

 

 

FuguedPoemGuidaAlmeida___March2016

 

Hapi’s sibling – iseetheriverbeforeme – Flowing in Prayer form : originally posted elsewhere April 2013, by G. Almeida ,
is a ”fugued ” poem  
 for better reading -please click on the image to zoom in

 

 photo___GuidaAlmeida
 photo – G.Almeida

 

 Peacocks_and_Peonies_I_and_II_(LaFarge)JPG
(detail of photo taken by James Steakley, of)  Peacocks and Peonies I and II  – stained glass, John LaFarge  1882

 

monet.wl-clouds
 Water Lilies – oil on canvas, Monet 1903

 

 1225px-Vincent_van_Gogh_-_Banks_of_the_Seine_with_the_Pont_de_Clichy_in_the_Spring_(1887)River Bank in Springtime / Banks of the Seine with the Pont de Clichy in the Spring –  oil on canvas, Van Gogh 1887 

 

Bach
Bach Bach
Bach Bach Bach Bach
Bach Bach Bach Bach Bach Bach Bach Bach
Bach Bach Bach Bach Bach Bach Bach Bach Bach Bach Bach Bach Bach Bach Bach Bach
Bach Bach Bach Bach Bach Bach Bach Bach
Bach Bach Bach Bach
Bach Bach
Bach
ᙠɒɔʜ ᙠɒɔʜ
ᙠɒɔʜ ᙠɒɔʜ ᙠɒɔʜ ᙠɒɔʜ
ᙠɒɔʜ ᙠɒɔʜ ᙠɒɔʜ ᙠɒɔʜ ᙠɒɔʜ ᙠɒɔʜ ᙠɒɔʜ ᙠɒɔʜ
ᙠɒɔʜ ᙠɒɔʜ ᙠɒɔʜ ᙠɒɔʜ ᙠɒɔʜ ᙠɒɔʜ ᙠɒɔʜ ᙠɒɔʜ ᙠɒɔʜ ᙠɒɔʜ ᙠɒɔʜ ᙠɒɔʜ ᙠɒɔʜ ᙠɒɔʜ ᙠɒɔʜ ᙠɒɔʜ
ᙠɒɔʜ ᙠɒɔʜ ᙠɒɔʜ ᙠɒɔʜ ᙠɒɔʜ ᙠɒɔʜ ᙠɒɔʜ ᙠɒɔʜ
ᙠɒɔʜ ᙠɒɔʜ ᙠɒɔʜ ᙠɒɔʜ
ᙠɒɔʜ ᙠɒɔʜ
ᙠɒɔʜ
ᗷɐⅽµ ᗷɐⅽµ
ᗷɐⅽµ ᗷɐⅽµ ᗷɐⅽµ ᗷɐⅽµ
ᗷɐⅽµ ᗷɐⅽµ ᗷɐⅽµ ᗷɐⅽµ ᗷɐⅽµ ᗷɐⅽµ ᗷɐⅽµ ᗷɐⅽµ
ᗷɐⅽµ ᗷɐⅽµ ᗷɐⅽµ ᗷɐⅽµ ᗷɐⅽµ ᗷɐⅽµ ᗷɐⅽµ ᗷɐⅽµ ᗷɐⅽµ ᗷɐⅽµ ᗷɐⅽµ ᗷɐⅽµ ᗷɐⅽµ ᗷɐⅽµ ᗷɐⅽµ ᗷɐⅽµ
ᗷɐⅽµ ᗷɐⅽµ ᗷɐⅽµ ᗷɐⅽµ ᗷɐⅽµ ᗷɐⅽµ ᗷɐⅽµ ᗷɐⅽµ
ᗷɐⅽµ ᗷɐⅽµ ᗷɐⅽµ ᗷɐⅽµ
ᗷɐⅽµ ᗷɐⅽµ
ᗷɐⅽµ
ʜɔɒᙠ ʜɔɒᙠ
ʜɔɒᙠ ʜɔɒᙠ ʜɔɒᙠ ʜɔɒᙠ
ʜɔɒᙠ ʜɔɒᙠ ʜɔɒᙠ ʜɔɒᙠ ʜɔɒᙠ ʜɔɒᙠ ʜɔɒᙠ ʜɔɒᙠ
ʜɔɒᙠ ʜɔɒᙠ ʜɔɒᙠ ʜɔɒᙠ ʜɔɒᙠ ʜɔɒᙠ ʜɔɒᙠ ʜɔɒᙠ ʜɔɒᙠ ʜɔɒᙠ ʜɔɒᙠ ʜɔɒᙠ ʜɔɒᙠ ʜɔɒᙠ ʜɔɒᙠ ʜɔɒᙠ
ʜɔɒᙠ ʜɔɒᙠ ʜɔɒᙠ ʜɔɒᙠ ʜɔɒᙠ ʜɔɒᙠ ʜɔɒᙠ ʜɔɒᙠ
ʜɔɒᙠ ʜɔɒᙠ ʜɔɒᙠ ʜɔɒᙠ
ʜɔɒᙠ ʜɔɒᙠ
ʜɔɒᙠ

Bach Bach Bach Bach Bach Bach Bach Bach Bach Bach Bach Bach Bach Bach Bach Bach
Bach Bach Bach Bach Bach Bach Bach Bach
Bach Bach Bach Bach
Bach Bach
Bach
Bach Bach
Bach Bach Bach Bach
Bach Bach Bach Bach Bach Bach Bach Bach
Bach Bach Bach Bach Bach Bach Bach Bach Bach Bach Bach Bach Bach Bach Bach Bach

 

 

IndiaInkOnPaper_GuidaAlmeida_03_2016
ink on paper, 42cm x 33,5cm, G.Almeida, 03 / 2016

 

 Vincent_van_Gogh_-_Sunflowers_(Metropolitan_Museum_of_Art)Two Cut Sunflowers – Van Gogh, oil on canvas, 1887

 

mixedMediaOnPaper_GuidaAlmeida_03_2016mixed media on paper, 33,5cm x 42cm, G. Almeida, 03 / 2016

 

   Bach is a four letter word, as is the word in Portuguese for fugue. As it happens, in Portuguese – fugue, has another meaning. It means ”a leak”, an escape”  or ”to run”, as well.
So, I’ll just leave this post here and make a «fuga», go ouside and smell some flowers while I can.
I hope you have a lovely Spring.

Naturally, the beginning of Spring not only makes one think of flowers (and a ”reawakening” of the planet (that in truth doesn’t sleep, though it may seem to…) as it enters the season), the equinox landing on what during Bach’s time was his birthday brings to mind a poem first written in the end of March of 2013 (I call it  a ”fugued poem” because it reads also from the bottom line up, through every other line, from the centre out, from ”out” to ”centre”, or exchanging the three groups of four lines between themselves).
The days at the end of the month bring to mind what we now call Bach’s birthday, and also other birthdays (one very dear to my heart, and also Van Vogh’s).

How could I make a Spring post and not place Bill Evan’s – ”You Must Believe in Spring”?

 

I can’t.

 

 

 

 

 

 

 

 

 

And as I think of the planet’s apparent  ”reawakening”, as I mention above, and the authors that come to mind (those in this post, and another, who would have also celebrated a birthday at the end of the month..) how could I not include a sample of a new recording called – Gaia ?

I can’t.

 

 

 

 

 

Wishing all a wonderful Spring
♥ Take care.

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

.


Sunday, Easter Sunday To Be Specific (before the setting of the moon) / Domingo de Pascoa ao luar das suas (das Suas) primeiras horas

 

 

 

My hand whisking across the horizon

changing its colour

wet

with each breath I have ever taken

dripping unuttered words from every finger

each drop a soliloquy of untangled thoughts

hair in the wind

muttering silences as I stop

Who’s there?

Your tomorrows

All my tomorrows?

Yes.

Those that live in each step

as you run in and out of each moment’s past.

And the present?

It is a moment that is not surrendered.

(yet)

Why?

Because it is unfathomable.

You can think of the past and the future

but not the present. It is unfathomable.

Within it lie all pasts and possible futures,

and all your living selves that are not always familiar with each other.

You feel you know you exist when each present moment is here, not “there”

and though you feel answers may lie “there” it is here you answer, not there

– and since you know not not ALL the THEREs

you feel the predicament of the present,

each fathomless,

present

instant.

It is the only moment you actually feel when you pinch yourself,

no other,

and you can not bargain what through the grace of existence you do not know.

But that doesn’t mean the present isn’t Whole, it is, Your’s (and Mine) is a fractal of present existance, thus ‘unbargainable’, and That

is the beauty of each fraction of existence, of each present.

It is the present of the Present, and the burden which is also

a present.

 

It presents itself

 

 

Unfathomable.

(and the more you fathom

the more you know you don’t,

and the more you know you don’t,

the greater the – Present (present) (presence) (presents) …….)

 

© Guida Almeida

técnica mista s/tela ©

 

 

 

Wishing everyone the best of Holidays – Happy Easter

G.

.


not many ways to mend a broken heart.. (bom domingo)

 

pormenor

pormenor

pormenor

pormenor

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

.


Please, please, please read and sign / Por favor leiam e assinem..

Por favor leiam e, assinem ♥

 

The following was copied and pasted directly from – HERE
I thank you in advance for reading, and in case you should sign (and I truly hope you do)

 

 

Oil exploration threatens narwhals and an entire way of life.

A tiny community is fighting Big Oil, and they need our help.

Off the coast of Clyde River, Nunavut, unspoiled Arctic waters are home to 90% of the world’s narwhals. These whales, with their unique tusks that look like a unicorn’s horn, take up a important role in the aquatic ecosystem. They are also an important food source for the native Inuit people, many of whom must rely on subsistence hunting to survive. But Clyde River, the narwhals, and everyone whose way of life depends on the ocean are in danger.

The Canadian government just granted oil corporations the right to search for drilling sites in the ocean near Clyde River. The environnmental devastation that comes with offshore drilling is bad enough, but the search is worse – these oil companies will use “seismic testing,” setting off huge explosions underwater. Like all whales, narwhals use their hearing to communicate and to find their way safely beneath the Arctic ice. The search for oil will deafen, disorient, and kill any narwhals caught in its path.

Save the narwhals! Sign the petition to stop Big Oil from destroying Arctic habitats.

For generations, big corporations have stripped northern Canada of its natural resources, trampling the rights of native peoples and destroying entire ecosystems for profit. The government has been complicit in this, auctioning off oil and mineral rights to the highest bidder and ignoring the consequences.

The people of Clyde River have had enough. They are standing up to the government and to Big Oil and fighting to protect their home. But there are only 900 people in Clyde River. They need us to stand with them. If we act now, we can stop the oil companies in their tracks before the damage is done.

Sign the petition to the government of Canada, saying NO to Big Oil wrecking the Arctic Ocean. 

**********
More information:

Help Protect Canada’s Arctic from Oil Spills Save the Arctic

 

 

 

(below once again the link to this specific petition below)

Sign the petition to the Canadian government.

Petition Text:

 

 

 

_____________________________________________.

 

This time I leave a drawing I love made by a grande-niece
(oh how I wish she and other children like her could grow up in a saner world ♥)

"A União Humanitária dos Doentes com Cancro presta consultas de clínica geral gratuitas e abertas a toda a população, todas as quartas-feiras." (from - GUIDA FINE ARTS) - regarding the free medical appointments for treating/discovering Cancer

 

 

 

 

 

(♥ for Jonh..)

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

.

.


CA – um conto sonoro para o inverno dos tempos (a soundscape that is Lunar and otherwise)

 

 

 

 

 

 

Gemeos

 

Estarei ainda muito perto da luz?
Poderei esquecer
estes rostos,estas vozes,
e ficar diante do meu rosto?
Às vezes,como num sonho,
vejo formas como um rosto
e pergunto:”De quem é este rosto?”
E ainda:”Quem pergunta isto?”
E:”E com quem fala?”
Estarei ainda longe de Ti,
quem quer que sejas ou eu seja?
Cresce a noite à minha volta,
terei palavras para falar-Te?
E compreenderás Tu este,
não sei qual de nós,que procura
a Tua face entre as sombras?
Quando eu me calar
sabei que estarei diante de uma coisa imensa.
E que esta é a minha voz,
o que no fundo de isto se escuta.

de Nenhum Sítio(1984)
– de Manuel António Pina

 

 

 

 

 

 

 

 Music by G. Costa | Artwork by G. Almeida | poem by Manuel Antonio Pina

 

 

 

 

.


Gabriel José García Márquez

© Guida Almeida

 

 

© Guida Almeida

 

 

 


 

 

 

 

Español:

(…)En aquél Macondo olvidado hasta por los pájaros, dónde el polvo y el calor se habían hecho tan tenaces que costaba trabajo respirar, recluidos por la soledad y el amor y por la soledad del amor en una casa dónde era casi imposible dormir por el estruendo de las hormigas coloradas, Aureliano y Amaranta Ursula eran los únicos seres felices, y los más felices sobre la tierra. ”

 

 

English:

(…) In that Macondo forgotten even by the birds, where the dust and the heat had become so strong that it was difficult to breathe, secluded by solitude and love and by the solitude of love in a house where it was almost impossible to sleep because of the noise of the red ants, Aureliano, and Amaranta Úrsula were the only happy beings, and the most happy of beings on the face of the earth.

 

 

Português:

(…)Naquele Macondo esquecido até pelos pássaros, onde o pó e o calor tinham sido tão tenazes que era trabalho difícil respirar, enclausurados pela solidão e pelo amor e pela solidão do amor numa casa onde era quase impossível dormir com o barulho das formigas ruivas, Aureliano e Amaranta Úrsula eram os únicos seres felizes, e mais os mais felizes sobre a terra.

 

 

 

(des)Larguem-me!

 

 

 

Goodnight sweet angel

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 


September 23 * 23 de Setembro

I can’t decide between greats such as John Coltrane or Ray Charles, both born this day, a day I’m very fond of.
So to celebrate the day my father was born I’ll take another path and leave the concert I had just finished listening to, a pair of drawings made by my grandfather many years ago plus a poem written in Portuguese.

(Hope all have a wonderful day – Blessings)

 

 

sem nome - de José Maria Soares Ribeiro da Costa

 

 

 

 

 

Galinhola - de José Maria Soares Ribeiro da Costa

 

 

 

 

 

Vive-se Quando se Vive a Substância Intacta

 

 

 
Vive-se quando se vive a substância intacta
em estar a ser sua ardente harmonia
que se expande em clara atmosfera
leve e sem delírio ou talvez delirando
no vértice da frescura onde a imagem treme
um pouco na visão intensa e fluida
E tudo o que se vê é a ondeação
da transparência até aos confins do planeta
E há um momento em que o pensamento repousa
numa sílaba de ouro É a hora leve
do verão a sua correnteza
azul Há um paladar nas veias
e uma lisura de estar nas espáduas do dia
Que respiração tão alta da brisa fluvial!
Afluem energias de uma violência suave
Minúcias musicais sobre um fundo de brancura
A certeza de estar na fluidez animal

António Ramos Rosa, in “Poemas Inéditos”


Pianist(a) – my own personal Mozart

I wish to start this year with a “piano post” so I bring Mozart, some words and an illustration:

no intervalo de cada tecla

sobra uma sombra

um silêncio

É aí que resido

onde..
.. ouço mil risos de criança

onde os silêncios de todos os mundos

que habitam nos intervalos das sombras

 me sussurram o teu nome

onde todo o ruido tem a inocência das gotas de água

(Maria MFA Costa)

 

 

PIANO
By D.H. Lawrence
Softly, in the dusk, a woman is singing to me;
Taking me back down the vista of years, till I see
A child sitting under the piano, in the boom of the tingling strings
And pressing the small, poised feet of a mother who smiles as she sings.

In spite of myself, the insidious mastery of song
Betrays me back, till the heart of me weeps to belong
To the old Sunday evenings at home, with winter outside
And hymns in the cosy parlour, the tinkling piano our guide.

So now it is vain for the singer to burst into clamour
With the great black piano appassionato. The glamour
Of childish days is upon me, my manhood is cast
Down in the flood of remembrance, I weep like a child for the past.

1918

GA_carlos


Compact & Extensive ‘Drawing’ Seminars 2012 | Curso Intensivo de Desenho * 2012

 

 

DesenhoPDF: para informação sobre os cursos de desenho (2012) – LINK

 

 

 

 

 

Desenho 

curso intensivo e alargado

telefone: 962253827 (tmn) * 963425255 (meo) * 914450669 (Vodafone) – no horário de expediente

email – maria.mfa.costa@gmail.com

http://www.guidarte.wordpress.com

http://guidarte.blogspot.pt/2012/06/art-show-class-of-20112012-torres.html

DesenhoPDF: para informação sobre os cursos de desenho (2012) – LINK

 


John Cage

 

 

(September/Setembro 5, 1912 – August/Agosto 12, 1992)

 

 

 

in aller freundschaft (there is a key)

 

 

 

 

 

 

[

]In A Landscape (1948)

 

 

 

 

 

 

variations 5 (1965) – Link with full feaTure film of the entire performance from a 1966 German broadcast.

The actual músic/coreography begins after 5 minutes of the 49:25 minute video contained therein.

Esta ligação, para a obra “Variações V”, de 1965 , contém a actuação completa que se pode começar a visionar após cerca de 5 minutos do começo do vídeo, de 49 minutos: é uma actuação que terá sido transmitida na televisão Alemã em 1966.

 

 

 

 

 

 

Songbooks (John Cage: music & E.E. Cummings: lyrics, 1970)
w/ Cathy Berberian on vocals.

 

 

 

 

 

 

..pelos 100 anos  de John Cage.

_


Olha para mim e me ama. Não: tu olhas para ti e te amas. É o que está certo. (Clarice Lispector)

© Guida Almeida

E depois saberei como pintar e escrever, depois da estranha mas íntima resposta. Ouve-me, ouve o silêncio. O que te falo nunca é o que eu te falo e sim outra coisa. Capta essa coisa que me escapa e no entanto vivo dela e estou à tona de brilhante escuridão. (…)
Entro lentamente em dádiva a mim mesma, esplendor dilacerado pelo cantar último que parece ser o primeiro.
(… ..)
Nova era, esta minha, e ela me anuncia para já. Tenho coragem? Por enquanto estou tendo:porque venho do sofrido longe, venho do inferno do amor mas agora estou livre de ti. Venho do longe – de uma pesada ancestralidade. Eu que venho da dor de viver.  E não a quero mais.  Quero a vibração do alegre
(… ..)
Será que passei sem sentir para o outro lado? O outro lado é uma vida lantejantemente infernal.  Mas há transfiguração do meu terror: então entrego-me a uma pesada vida toda em símbolos pesados como frutas maduras. (…) Uma parte mínima de lembrança de bom senso de meu passado me mantém roçando ainda o lado de cá.  Ajude-me porque alguma coisa se aproxima e ri de mim. Depressa, salva-me.
Mas… (…)
Mas o quê? a resposta é apenas: sou o quê.  Embora às vezes grite: não quero mais ser eu!!  mas eu me grudo a mim e inextrincavelmente forma-se uma tessitura de vida.

Quem me acompanha que me acompanhe: a caminhada é longa, é sofrida mas é vivida.

(… ..)

O que te escrevo continua e estou enfeitiçada.

Clarice Lispector  –  texto retirado do livro : «Água Viva» 

© Guida Almeida

Gaia   – um trabalho também conhecido através dos nomes
“Gê” ou “Banhista”
110cm x 83cm, tintas acrílicas s/tela, 
© Guida Almeida 2005,
fotografia de Sandra Ramos,
propriedade da Câmara Municipal de Lisboa


__

 

 

 

 

 

 

George Mraz: bass / Steve Kuhn: piano / Billy Drummond: drums

 

 

 

 

 

Richie Beirach: piano / Frank Tusa: bass / Jeff Williams: drums

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

.


E Eu Danço (de Maria Cintra)

Bailarinos © Guida Almeida



E Eu Danço

Estou aqui, na aula de português, de lápis na mão, ao som de música calma e inspiradora.  Várias ideias surgem na minha mente, mas nenhuma me parece apropriada.  E é assim que eu danço, pensando em tudo e em nada, no que tenho de fazer, no que não quero fazer e no que quero mas não posso fazer.

Se pudesse, estaria neste preciso momento num sítio em que não tivesse de me preocupar com nada daquilo que não me interessa.  Um sítio onde pudesse ser eu mesma sem ninguém a perguntar o que estou a pensar, sobre o que estou a escrever, se já fiz isto ou aquilo.  Um sítio onde pudesse gastar o tempo à minha maneira:  escrevendo, lendo, pensando, brincando, relaxando e apreciando o mundo à minha volta.  Mas esse sítio não existe sem que eu o faça existir e para isso teria de ser mais rápida, menos preguiçosa, mais atenta e responsável.  Mas assim, como poderei eu relaxar?  Fazendo todos estas coisas até as acabar apenas me daria alguns minutos extra sem que aqueles que não relaxam me interrompessem.

As vezes ponho-me a pensar:  se os outros não param, como hei-de eu parar?  E assim, quando dou por mim já estou a acordar ensonada para um dia idêntico a todos os outros, sem relaxar nem parar por mais de uns minutos.

A vida é assim mesmo e se não tentarmos parar, nem que seja por um bocadinho, ela leva-nos sem conseguirmos viver a sério.  Porque viver, não é só respirar e fazer os dias todos da mesma maneira.  Viver é fazer com que cada momento seja diferente e melhor do que os anteriores.

E eu danço, ao som da vida que não tenho.  Ao som do que penso, do que escrevo ou do que leio e ao som dos que estão à minha volta e me fazem viver a sério.  Sendo o que eu sou e nada mais.  Vivendo a vida como ela é sem por nem tirar, apenas alterando-a à minha maneira.

E porque tenho de a alterar para poder viver feliz, tenho mesmo de ser menos preguiçosa e mais activa.  Mesmo que assim seja continuarei sempre a desejar que os dias tenham o dobro do tamanho para fazer tudo num dia.  Mas depois percebo de repente que se assim fosse já não haveria nada para fazer, porque quando se tem tempo para tudo, deixa-se de ter tempo para nada.  É verdade que devemos aproveitar cada momento ao máximo, mas por vezes a preguiça leva-nos para o maravilhoso mundo dos pensamentos.

Cada pensamento que existe dentro de mim tem vida própria e mostra-me aquilo que quero ver, ser, viver, sem ter de estar a acontecer mesmo.

E eu danço ao longo da vida e dos pensamentos que a percorrem e que me mostram a dança impossível da mente.

( texto de Maria Cintra – Junho de 2008 )


Percebe-se, sim, percebe-se muito bem que o pai, o tio, certamente a mãe e restante família,  assim como os irmãos e amigos… , tenhamos tanto orgulho…….. (aliás, permitam-me uma correcção:  será provavelmente um sentimento partilhado, acho, mesmo por alguns que não a conheçam, e que gostam de ler algo assim escrito… mesmo sem se ter em conta ela ter tido apenas 10 anos de idade quando escreveu isto………)

  E é um privilégio poder conhecê-la, é mesmo. 

  .


An ode to the Summer

“you know … it’s Jazz, it’s freedom…”

 

(Branford Marsalis)

 

 

 

 

 

I feel a need for the summer growing within me..

 

 

 

 


Study II - oils on paper
by Guida Almeida

I’ll leave the words and images from a post I wrote elsewhere last week.

(Have a nice week)

 

 

 

 

 

Segunda-feira, 23 de Abril de 2012

Notes trickling from a tenor saxophone, drop by dropI hardly breath

The keys of the piano tingle
as they run down my spine
What, where, when…….. why?

Oh, the globe… that globalistic, spherable, round blue spot..
Nah,
I think I missed it
– perhaps I’ll catch the next ride but for now
I’ll just wait.

Here in a side-room next to the universe
where time stands still, Time after Time after Time after Time
and after

(words written to a Ben Webster recording accompanied by many silences.. sweet and otherwize )

Publicada por Margaridaem 19:39

Domingo, 22 de Abril de 2012

Silence

 

 

 

 

to be mentally silent..
– driving out pollution that encumbers all thought and recollection

can at times be more strenuous than climbing the highest pole with lubricated hands,

but when it finally comes (even for a fleeting moment..) I am almost returnéd.

Perhaps someday I’ll know the soothing comfort of watching the sun set next to a loved one in utter silence..

perhaps (even though I no longer believe in “silence” – but perhaps)

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 


He
(or she)
who knows the future knows nothing.

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

.


Tabula Rasa

 

..my mind.., ( my heart & soul ) is but a blank slate..  whereupon   life  inscribes  its  many  signatures . .

 

 

 

I  suppose  that  it  is  a  form of  ‘just’  irony  that  the  two  ‘tabulae’  (in blue)  coveted,  thence  destroyed  and
lost  to  the  realm  of  Oblivion  should  have  come  back
in  a  form  unwaxed  and  red

 –   in  a  hue  that  runs  in  my veins, imperfect  and  free,
unchallenged,
unabridged,
unwavering.

© Guida Almeida

© Guida Almeida

 

 

 

..se da vida faço uma tábula rasa a vida engargar-se-á de o fazer a mim..

 

 

 

 

 

E isto é mais forte do que o sangue que me corre nas veias..

 

 

( ou que a carne que se vai soltando dos ossos à medida que a gravidade actua )

© Guida Almeida

 

 
*

 

 

 

Há obras que se apresentam como estando ‘aparentemente’ desaparecidas.
Sim, tal como tudo nesta vida, podem até ser irrepetíveis e irrecuperáveis..
Entre outras coisas,  o mundo é outro assim como o conteúdo celular de seu(s)  autor(es)
( e sabe-se lá quantas vezes terão sido estes –

 o mundo,

o conteúdo..,

  mudados )

É sempre uma verdade inegável que o Tempo e as restantes dimensões por onde passamos nos inscrevem as suas histórias no nosso Ser, e mesmo que algo as tente apagar, elas surGirão duma ou doutra forma pois continuam a correr-nos no sangue, e esse..
Esse só parará
quando tiver de parar.

 

 

Sobre algumas cores:

Mesmo que não soubesse através da natureza

que o Azul é “côncavo” em praticamente todas as situações,

o Amarelo – “convexo”,

resta-nos uma primária,
– o Vermelho.

Esta, tal como o seu oposto,
( ‘secundário’ )
que  junta  o convexo ao côncavo,
o Verde,

são estáticas.

Não vêm nem vão, ficam.

*

.. assim como a memória de um par de aniladas  ‘Tabulae’ doutro(s) mundo(s)..

.

.

.

 
Tabula rasa – ( Arvo Pärt : Lithuanian Chamber Orchestra/Saulius Sondeckis; Gidon Kremer; Tatjana Grindenko; Alfred Schnittke – 26′ 26″ )


Fratres – ( Arvo Pärt : The 12 Cellists of the Berlin Philharmonic Orchestra – 11′ 50″ )


Fratres – ( Arvo Pärt : Gidon Kremer; Keith Jarrett – 11′ 25″ )


Cantus ( Arvo Pärt : in Memory of Benjamin Britten – Staatsorchester Stuttgart/Dennis Russell Davies – 5′ 01″ )

 .

.

.

.

.

 I always thought that regardless of being well deserved or not – certain “scores” seem to have a way of making the work drift away..
such is
the way of “things”

.

.

.

.

.

.

.

.

.


Humanity, Profit.., and an urgent message. (English & Portuguese)

 

This is a message for Humanity (♥) and a very important one:
It seems,
They are repeating,
We should adhere,
I believe,
and You might say.

 

(Desejo-vos a todos um excelente dia)

 

I leave you a    v i d e o-clip     just under 2 minutes long a quote some of that which is said:
« (…) this is a message by “the People” to “the People” (…) »

 

 

(PT)
Deixo-vos com uma mensagem, um    v i d e o        que dura pouco menos de 2 minutos.

I also include the following LINK- to a song.. I also leave you with a song that at the     t i m e      was performed to one whom dignifies Mankind.

(PT)
– E deixo uma música. Na altura foi tocada para homenagear um “G”rande ser, um ser com “S” bem grande..

O “Lucro” é algo que se define consoante os padrões (ética, estética, moralidade e/ou ausência da mesma.. )
de quem o o deseja.

Há lucros que pouco ou “nada” são.
Outros que são faces fragmentais da destruição e/ou do empobrecimento do Ser que os cobiça.
Há lucro que é e/ou conduz às coisas da Morte
(“Morte” no seu sentido mais lato e múltiplo)

– e há o outro tipo de lucro.
Aquele lucro que se tem ao ver nascer o dia seguinte, ou, aquele que se recebe ao ir ao encontro do Outro.

Pelo menos para alguns, a vida é uma dádiva, por isso mesmo “lucro”.

Há milhares de tipos de lucro conforme o acto e a vontade por de trás do mesmo.

Agora se é para o “Bem” ou para o “Mal”.. isso já é outra história (parece-me)

where there is a WILL there is a WAY

Yes a handful of us in any given place can be rotten to the core.. will profit from the death of babies and laugh as one’s own mother’s back’s is broken.. but most are not so.

It takes a coward to  succumb to Averice, Greed and Fear
(all foods of Hatred and Destruction, that awful couple that fathers “Doom”)

– but the noble heart shall shine through the darkness of those who would do him/her ill or attempt to cheat.

The cheating of the Other into becoming as they, a small worthless empty shell from whence no sound escapes nor light for they are “Naught”, where all is but deception –
– is as vile an act as the destruction a few desire to perpetrate for the lucre of  “false” gold;
for a “profit” they hysterically believe they can take with them.. to that small black hole they’ll inevitably end up in…

Long life to those whom are unconstrained, unenslaved,  unfettered, liberated and unbound to such flaws that would imprison their Humanity, who are invigorated through the beauty of    c o m i n g     to the rescue of the Other
(and themselves),
– through LOVE.
May they prosper and multiply.

 

– to all i wish a nice day.

 

 

 

 

 

 

 

.


Das ist freundschaft? ………. Lord, how could I forget that which has ailed me for the past week..

One can never be prepared to say goodbye to those whom we hold dear..
It is such a difficult a thing to fathom that it tends to escape all cognisance.

Even a head-on collision can seem to bring a soothing escape from such a matter.

No matter how one tries to turn one’s heart into a cork so as to be capable of floating

above every little thing..

it still sinks..

– it sinks to a bottomless abyss
– to that chasm full of tears and sorrow.

No I shall not say my goodbyes untill the last breath, be it mine, your’s or anyone else’s.

I’ll simply say goodnight and kiss your forehead
(I can handle nothing more, see nothing less, and I refuse to change my nature)

(des)Largem-me!! © Guida Almeida

 

 

Há quem nunca sai do coração..
– quem sempre nos aquece a alma só de pensar nele/nela
Tal como há quem passe por nós sem deixar marca, quem não nos dê respostas e/ou perguntas, quem nada ou pouco nos diz.., há também o oposto disso. Há quem tenha a face, os gestos, as palavras e os silêncios imprimidos para todo o sempre no nosso Ser. ..
.. (tal como todos sabemos) Os nossos amigos são uma família escolhida, assim como alguns familiares “de sangue” também são.. Fazem do nosso “coração”, mesmo que fraquinho seja, uma habitação.. uma casa repleta de “vida”..

 

E tu.., tu que por exemplo assististe ao meu desespero ao ter descoberto que ia tocar isto

perante o seu autor, numa sala ‘semi-ensolarada’ qualquer de ensaios…, que conviveste com tantas lágrimas.., tantos sonhos, risos.. Tu que me conheces tão bem, que com amizade pura és capaz de gozar com todos os meus podres e transformá-los em coisas minúsculas..,

 

fazes-me falta desde antes de nascer.

 

 
– e ainda tenho um presente do meu pai para te entregar, bolas..

Até já..

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

.


Palavras antigas e outras………. “Mensagem de ano novo” / New Year’s Message (in Portuguese & English)

« mata-se por fio de vaidade e outro de finíssima e subtil crueza. mais do que incompreender o homem ausenta-se da sua própria realidade incompreendendo o deslumbrante que é sorrir generosamente das vitórias do outro. o mistério é uma coisa terrível que a linguagem acende e unidos e dispersos somos fendas irrisórias. mediadoras porém do impávido racionalismo que nos afasta e aproxima reduz esmaga e recria. como numa ode de Keats onde o sentido gemelar é destruidor e fulgurante. mata-se por um fio de vigilante raiva. sobrevive-se como cavaleiros andantes sobre um chão de espigas e de cardos. simbióticos. original nostalgia de ainda suspender o mal.

bom dia mundo. que somos reis nus. de pés feridos. de alma de árvore.»

de Isabel Mendes Ferreira

 

O que dizer, ou acrescentar, ao que aqui acima está escrito??

Trouxe estas palavras para aqui para inaugurar o dia, o ano,
assim como o Espaço……

Aquele espaço……..,

– o do Homem que teima em (in)existir numa realidade paralela à sua “condição”.

O Espaço, pois……………..

– dentro e fora da dimensão que nos reduz praticamente ao “infinito”, e/ou ao “zero”, conforme o ponto cartesiano ocupado no universo que se desloca num constante “respirar” fora de todas as portas das dimensões, percepitiveis, ou não.

E retomando o que vejo:
um  «espaço,  o do Homem que teima em (in)existir numa realidade paralela à sua “condição”. »

Não, não quero ser injusta.
Sei que não serão, ou não somos todos assim.
E que num ou noutro há ou haverá “mutação(ões)” e/ou migração(ões) entre o que “É” e o que “Não É”.

Mas vejamos……………………,
ou melhor, olhemo-nos bem
– de “dentro” para “fora”,
de fora para dentro, e perguntemo-nos a nós próprios o seguinte (por exemplo):

Com estas duas “realidades” onde está a “Forma” do que “real” é?

Eu às vezes sei, mas felizmente esqueço-me.
Assim na maior parte da minha ocupação no Espaço e no Tempo disto a que por habito chamamos “Universo”
posso dedicar-me ao que considero ser a manifestação do Divino:
O descobrir (redescobrir), encontrar (reencontrar), e sentir o Outro
(dentro e fora das suas e/ou minhas dimensões, conforme o possível, ou o que me é possivel )
– [ ou me é dado [?] a ser possivel ]

Bom, agora deixo o que escrevi na altura em que li as palavras da autora cujo texto cito no início desta publicação.

Ela, assim como outros, afectam-me (felizmente), e muitas das vezes de uma forma que me leva a escrever para me exprimir  (coisa bastante difícil para mim, garanto-vos)

Assim sendo deixo a minha “Mensagem de ano novo”, assim como o desejo de vos ver (a todos) com um ano repleto de ternura, amor do(s) e pelo(s) Outro(s), compaixão e iluminação.

Desejo-vos (alías – “nos”) um mundo melhor, e equipado da solidareidade necessária para sarar o mundo.
Bem hajam.

* Podem até nos estancar o sangue, mas cegar-nos à beleza do outro, isso nunca… ai não.
E pergunto-me, para quê viver sem nos alimentarmos do Outro?
Sabemos que porventura há quem tenha a deficiência da ausência de boca para alimentar a alma, e que assim vegete..

e morre-se..

É uma crueldade tripla esta indignidade, uma inexistência desalmada, (des)almada.

(In)existir ao ter assim a primeira parte do aparelho digestivo tapado por sabe-se lá que mordaças e/ou açaimes, uma que será possivelmente a avareza de espirito, outro, o do desgosto pelo bem alheio será por.. ai!
Eu sei lá?
.. que motivo real poderá haver em tamanha estupidez?
É uma grande chaga cega na existência do Homem.

© Guida Almeida

técnica mista s/tela

____________________________________________________________________________

Bom 2012.

Guida

.