Artwork / Paintings / Etchings / Music & Art News / General News

poetry / prose

Ponto & Linha: oito linhas de prosa, linha vertical por quinze (linhas) de prosa, e novamente oito (linhas), sete ou dez pontos conforme a prosa — [a culpa é do Kandinsky].

'a view' - by G. Almeida

 

uma imensidão de estrelas, o som do mar…  A noite dá-nos a visão do que o
sol oculta, que nos engrandece pelo diminuto que é a nossa casa e a nossa
condição.  A viagem, que é efémera, que no paradoxo da sua fragilidade
contém uma força que torna possível contemplar o eterno, despe-se.
Segue-se em direcções e em distancias várias, de tempo, e de espaço (que
se tornam sinónimos e multiplicáveis), o cosmos não se acanhando com a
jaula da nossa cognição, e, pára-se.  Pára-se perante o canto de um grilo
que de baixo da amendoeira canta.

(Boa noite)

 

 

prosa escrita originalmente, por mim – 24 de Julho de 2016 

 

 

 


Uma imensidão de estrelas, o som do mar   A noite dá-nos  a
visão  do  que o sol oculta, que nos engrandece pelo diminuto que é a
nossa casa e a nossa condição. A viagem, que é efémera, que
no paradoxo da sua fragilidade contém uma força que torna possível contemplar o
eterno,
despe-se.
Segue-se em direcções e em distancias várias, de tempo, e de espaço (que se tornam sinónimos e
multiplicáveis), o cosmos não se acanhando com a jaula da nossa cognição,
e,
pára-se.   Párase
perante  o canto de
um
grilo
que  de  baixo da amendoeira  
canta.




Uma visão nossa no eterno despe-se. Segue-se  (multiplicáveis) e pára-se
perante um grilo que canta

 

… imensidão de estrelas, o som do mar…  A noite dá-nos  o  que o sol  oculta,
que nos engrandece pelo diminuto que  é a casa e a nossa condição.   

A viagem,  que é efémera, que, paradoxo da sua fragilidade
contém  uma força  
que torna possível contemplar  em direcções e em distancias várias de tempo  e de espaço

que se tornam sinónimos,  e o cosmos,   não se acanhando  com a jaula da nossa cognição — páram 
perante o canto de baixo da amendoeira. 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

.

 

Advertisements

Bird, little bird

 

IMGP5275_GA

 

IMGP5277_GA

 

 

 

 

 

 

When you learn to fly,

But you haven’t any wings

When you stand and cry —
                                       

                ( : )

                                                                                                                            

simply standing – dry,

the rain within pours and stings,

and it hurts and sings —           

                         

in a holy plight,

in battered flight, wavering

your hand – favouring

 

 

because

it’s

warm before the night.

 

 

 

 

 

 


59 syllable poem.  –   ”575 575 575 215” form | 3 haiku +  3lined strophe
                                            

 

 

poem dedicated to a little bird

 

 

 


 

 

 

An annotation to the poem:  in brackets I leave a *Key / Legend – as if in a map, for its reading.

(59 syllable form of 3 haiku + 3lined strophe | in mus. comp. terms it would be a Da capo Aria, but, in truth, more towards being a small French Overture form, where the Da capo section precedes (can precede, that is)  those that follow, that can be on there own – with the Da Capo section and independant of each other in their own ”section”, or linked between the three that follow in their present order, or, a variation if expanded to a larger structure. This description of ”structure”, is mainly for my own benefit – and as a mnemonic – for Musical Form, in case I hit the keyboard latter on (for instance, because my poor brain functions more freely as a musician, when looking at form and structure).  I shall leave, however, a punctuation mark – a full colon – to represent the Da Capo section before it, in light blue). As I also see the this somewhat as another sample of a ”fugued poem” form, as well (I have a couple), where each line of the Da Capo section can stand on its own – for the the *variations in mind,  the full (or rather, the expanded version) of this I shall leave below (also in light blue)  .

 

 

 

When you learn to fly  

The rain within pours and stings    

Your hand, favouring   

But you haven’t any wings   

In a holy plight   

Because its warm in the night  

Simply standing – dry, 

When you stand and cry,   

In battered flight, wavering      

 

 

 

And
Because
it’s warm, sing .

 

 


(variation: section 575757557 123 –   and varied off the 575 575 575 215) 

 


Finale: 
[215 557755575(or 7) –  a 59 syllab, form(or 61, if seen as a * 2nd variation*).  ]


 

 

Because
it’s
warm before the night, 

 

Your hand, favouring
in a holy plight, 
in battered flight, wavering,
But you haven’t any wings
Simply standing – dry,
And it hurts and sings,
When you stand and cry,
The rain within pours – and stings,
Because it is warm – (because it’s warm before the night) .  

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 


Quote

Bernardo yEl Dragón que perdió el fuego — Entre Nubes

Aquella primavera estaba siendo muy lluviosa. Las nubes no paraban de echar agua y más agua sobre toda la comarca y la naturaleza comenzaba a estar un poco desbordada. Los valles que acogían los ríos no daban abasto, sus cauces eran tan anchos que más que ríos, parecían lagos y algunos animales tuvieron que emigrar […]

via Bernardo yEl Dragón que perdió el fuego — Entre Nubes


-a poem (sung in a Locrian mode, with florid counterpoint)

 

 

The Sun’s tender sheen
dances freshly on my brow
as I awaken.

In a sweet caress,
as it baths me through and through,
I wander outside.

The trees are bursting
with lemons and little birds.
I sit in wonder

each day,

when

a loved one is born.

 

 

 

 

 

 

 

 


(As today, and a few other days, whether they’re still here or ‘away’, the warmest light seems to shine even if it rains – just like today.  And, it wasn’t even raining.)

 

 

 

59 syllable poem.  –   ”575 575575 215” form | 3 haiku +  3lined strophe

© Guida Almeida

técnica mista s/tela ©

.

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

.


A moment (a fleeting moment, a poetic cadence, a moment)

 

 

 

There’s something rather poetic and difficult to describe when you chance upon opening an account you have on a social media network, and come across a piece you rarely hear performed (it’s a lovely piece, by composer: Francisco Lacerda).  It starts to play  and suddenly before your eyes appears something else.  As you look you inequivocally, and instantly feel yourself identify with the youngling, saying – ”Aw, the same as me with my dog”) – but, what you’re listening to takes you a such step beyond that,  it takes you a moment to fathom that chance poetic cadence, laced betwixt sight and sound, before you.
And thus you sit, enthralled, in a state of warm wonderment, beyond words and explanation.

 

 

 

 

 

 

 

(the above ”clip” may take a moment to load and be visible)

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 


the bear

 

Sung the babbling brook

dancing cooly in the breeze

in sweet surrender

 

to a soft chinook

as it passed, warm and ternder,

fragrantly through  trees,

where the humming bees

parade their brightest yellow

to a flutt’ring halt

 

where lay

the

stiffened furry bear.

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 


 

zoo bear

Photo by Rasmus Svinding on Pexels.com

 

 

 

 

 

 

 


 


59 syllable poem.  –   ”575 575575 215” form | 3 haiku +  3lined strophe

 

 

 

 

.


Time: in a Penta-iambic Quatrain.. open couplets amidst closed (clothed) lines. | ”fugued poem”

 

Crouched in a corner,
bending bouyant blur,
sitting in a room
faster than sunlight.

 


Time is no foreigner,
no shifting  murmur
in movement, to loom
perched in endless flight.

Typecast adorner,
Chronus’s porter
transfixed, flows.  As spume,
beams full in plain sight.

___

Cometh yon caboose 
– untamed, almost loose,
– anointed, jointed,
– appointed, in truce.

 

∞∞∞∞∞∞∞∞∞∞∞∞∞∞∞∞∞∞∞∞∞∞∞∞∞

 

Bending bouyant blurr
No shifting murmur
Chronus’s porter
Untamed, almost loose
Sitting in a room
Movement, anointed
To loom there, jointed
Transfixed, flowing spume
Perched in endless flight
Faster than sunlight
Appointed in truce
Beams in a corner
Crouched in plain sight.
Time
is no
adorner, typecast foreigner

 

it
Cometh intemporal
and loose.

________________________________________

 

 

 

 

 

 

 

____________________

Faster than sunlight
Time is no foreigner
Bending bouyant blur
In movement, to loom

In movement, to loom
Chonus’s porter
Anointed, jointed,
Beams full in plain sight.

 

 

 

 

 

 
shallow focus photography of wooden clothes clip on clothes string rack

Photo by Santosh Maharjan on Pexels.com

 

IMG_20140708_142607

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

(more…)


3 haiku

 

a fractal casting
of Euclidean silence
dances on my leg

 

 

 

a rustling of leaves,
tangents – timidly pacing
the night  on each foot

 

 

 

 

 

 

 


 


©

sprawled upon the ground
lay many moving shadows.
– just shuffled through three.

(this very moment..)

 

 

 

 

 

 

 

 

.


Haiku (son of Zeus – son of Hera)

the battle blazes,

doth glow the fields of repentence

— upon bodies, stacked.

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

© Guida Almeida

pormenor

 

 

 

 

 

 

 

 

.

 

 

 

 

 


Haiku (a painter’s haiku)

bursting in blossoms

smiles yon almond tree, sweely

unto the heavens

 

This slideshow requires JavaScript.

 

 

 

 

 


(Blossoming forth bursts yon almond tree.
Where are you little cricket?

”I dream at your feet” – it answers.)


G.A.

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

.


Mal vejo os dedos e no entanto vejo-o ali, esvoaçante, junto a um conto antigo que se desnuda conforme a noite avança na sua concava natureza, por esta esfera

***
Desvendado o firmamento, um risco lunar timidamente esboçado, cortante o seu fulgor enquanto rasga as frias trevas da noite, rapidamente se passou para além de meu horizonte.

( horizonte?  O horizonte é algo que nos transcende, como a pele de uma maçã ao se percorrer o seu perímetro ou profundidade e  se   torna
mutável ).  **
Olho para cima e ei-lo, o Pégaso esvoaçante, móvel porque me mexo, mesmo que aqui parada aparento estar.
Parada entre as sobras das sombras que se criam e se desfazem a cada instante enquanto tomam corpo noutros mapas celestes e que no entanto me enxergam aqui como se parada no tempo pelo tempo que duro, estou.
Serei um palmo de tempo num corpo que mexe,  ptolemaico,  redondo,  o seu som molhado e seu trajecto girante  junto à chama que lhe faz anil a meus olhos quando aqui não estão.   
Pelo horizonte me meço e por ele estremeço ante o astrolábio que me concedeu o Navegador-Mor. Por vezes anda mal tratado, caindo ao chão como um qualquer par de óculos que me esqueço de usar… Encontro-o quando o penso perdido,  no olhar do cão que encosta o seu nariz ao meu, numa voz vizinha que me chama e me pede um chocolate quente, noutra que se propõe a cortar-me os longos cabelos ou numa criança, rabina, que não entende a razão que o cavalinho que montara num supermercado e que muda de cores – parou. Ele tem uma capacidade em me surpreender, como quem diz – ”Estou aqui, sua tonta”.   Perdoa-me os meus defeitos, o nónio foi feito por uma matemática sem a mácula.

Mal vejo os dedos e no entanto vejo-o ali, esvoaçante, junto a um conto antigo que se desnuda conforme a noite avança na sua natureza concava desta esfera.  ***

 

 

Dal Segno (𝄋)  al Codetta (⊕)   & /   al Coda (⊗ ) 

|:


***(:| |:)

  𝄋 

 

(Mal vejo os dedos e no entanto
vejo-o ali, esvoaçante, junto a um
conto antigo que se desnuda
conforme a noite desta esfera
avança, na sua natureza,
concava.)


***  (:|  or    |: & :|)

***(alt. 1º⌋   &  ⌊2º ending  to repeat signs – or – straight 1x repetition  )
(alt. – Segno )

(𝄋)

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 


(© the above transcript was originally writen elsewhere – Decembre 23, 2017)

 

 

 

 

 

 

PianoCliffNo3_GuiAlmeida

piano cliff III – © G.A

 

 

 

   (Codetta  / Coda   & DcC-Fine ∑ ) :

Agora não liguem, o que se segue são aqueles meus exercícios em modo – ”Resnais”,  e também  próprios de quem lida (por exemplo) com contrapontos diversos que,  podem não alterar a Harmonia estructural (pelo menos de forma significativa), porém,  dizem de forma especifica quando isolados coisa diferente – na  mesma linha.
(-coisa de músicos, portanto, não liguem).

 

 

 

( ) 

 

***   ( |: & :|)

** ( horizonte?  O horizonte é algo que nos transcende, como a pele de uma maçã ao se percorrer o seu perímetro ou profundidade e  (que)  se   (con)torna  ( , )
mutável ) .

( o horizonte?  O horizonte é algo que nos transcende como a pele de uma maçã ao se  percorrer o seu perímetro ou profundidade e  se  contorna 
mutável ).

( o horizonte?  O horizonte é algo que nos transcende  como a pele de uma maçã ,   ao se percorrer o seu perímetro ou profundidade e (que) se contorna ,  
mutável ) .


( o horizonte?  O horizonte é algo que nos transcende, como a pele de uma maçã ao se percorrer o seu perímetro ou profundidade e que se  torna  
mutável ).

( o horizonte?  O horizonte é algo que nos transcende como a pele de uma maçã ao se  percorrer o seu perímetro ou profundidade que se  torna 
mutável ).

( o horizonte?  O horizonte é algo que nos transcende, como a pele de uma maçã ao se percorrer o seu perímetro ou profundidade e se contorna).

( o horizonte?  O horizonte é algo que nos transcende como a pele de uma maçã ao se percorrer o seu perímetro ou profundidade e  se  torna  
mutável ).

( horizonte?  O horizonte é algo que nos transcende,  como a pele de uma maçã ao se percorrer o seu perímetro ou profundidade torna-se 
mutável ).

 

( ) 

*  serei um palmo de tempo:
– ptolemaico
– ptolemaico, que mexe
– redondo
– que mexe, redondo
– girante
– que girante se mexe
– que ptolemaico e redondo e girante  se mexe
– molhado
– que redondo, ptolemaico, molhado e girante , se mexe.

(Um palmo de tempo e de som e trajecto que  molhado, ptolemaico, redondo e girante – se mexe. ) 

 

***   ( |: & :|)

 

 

   DcCF (the  ”da Capo – fine” of the Coda) :

( ∑ 

Mal vejo os dedos e no entanto vejo-o ali, esvoaçante, junto a um conto antigo que avança conforme a noite, (por esta esfera), se desnuda na sua concava natureza.

 

(Mal vejo os dedos e no entanto

vejo-o ali, esvoaçante, junto a um
conto antigo que se desnuda

 
conforme a noite desta esfera
avança,
na sua natureza,
concava.)


 

***   ( |: & :|)

 

 

 

 

 

 

 

 

_________________________________________________________________
(uma anotação, como lembrete para mim mesma)

-Ao contrário de uma partitura lida por um músico,
onde se seguiria pelas regras estabelecidas dessa arte,
os sinais que regê-la-ão em termos estructurais
(os da Repetição: ”, do Segno 𝄋 ”  , ou os  utilizados
para
Codetta ”  ”  e para Coda  ” ”   assim como aquele
que aqui emprego para designar
uma eventual componente final
de um Coda
” )  – servirão apenas como sugestão  para
uma de duas coisas, para que se siga com a disciplina
de um músico, ou, em vez disso, com uma liberdade
interpretativa de tais símbolos como se um não músico
as estivesse a ver ou num espirito semelhante ao do
Resnais.

 

Fim de texto, de quem afinal não passa de uma ”interprete” e que
olha, que – continua a olhar por exemplo, um G. Steiner, com desconfiança enquanto
levanta o nariz em protesto

(e que,
teve de se apaziguar com um amado trecho de Bach).

 

hmmmmmm… não sei se chega, creio que preciso de mais um trecho, pois acordei com mau feitio (e isto hoje está mau) –  https://www.youtube.com/watch?v=yMHMSnTQM54

 

 

 

 

 

 

 

.


Somewhere – between Now and the Third Versicle


(Jimi singing Dylan’s – All Along The Watchtower – arrises in my mind’s ear, in a subtle crescendo as if it were the commencement of the dawning of the sun yet be it the night)

 

cropped-p21-04-12_17-011.jpg

 

 

 

 

 

 

 

 

 

The night falls – its winds still elude unto visions of misconceived footmen lining each front, and yet  – the cricket sings.
As Babylon runs in its rivers, weeping wet, still can I not see – nor the olive groves of Galilee, nor the seas of all Being and enchantments.  These most assuredly lie somewhere between now and the third versicle of the Song of Songs.
The wind shall growl, the Watchman shall sit – until the cricket leaps a perfect fifth, perhaps a minor sixth
(to a comely bass).

 

 

cropped-img_1237.jpg

 

Somewhere Between Now And The Third Versicle

(© written elsewhere by me, Aug. 19, 2018)

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 


(N. i. s.)

moonlight on sea - G.A.

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

.

 


Quote

Falar por traço e ponto

SUPLEMENTO CULTURAL

Morse

Falava em Morse. E com sotaque. Não se percebia um boi do que dizia. Por isso ninguém queria falar com ele. Uma namorada, compadecida, tentou tirar um curso de Morse, desses de auto-ajuda, para perceber o que lhe ia na alma. Em vão. Quanto mais Morse aprendia, mais constatava que nada sabia. Só dúvidas. Finalmente, deixou o namorado a falar — em Morse, claro — sózinho, no meio do Intendente. O povo que passava e o ouvia receou que estivesse iminente um atentado terrorista. Chamou a polícia, os serviços secretos, o SESF! Os membros desta última organização declararam-se incompetentes para o perceber. Que não!, que não percebiam nada, que não havia um só funcionário nos serviços que o percebesse, que tinham de contactar a embaixada, mas qual embaixada?!, era necessário chamar peritos do Centro de Linguística, dar formação, aumentar os salários, as horas extraordinárias, a particpação na ADSE. Tudo em…

View original post 356 more words


The Cerulean Lining

Between Night and Day, when… – when
the balance between the ”subjective”
and the ”objective” in sight
is at that magical number, and evened;
when one can still feel the protection
of the blue overcoat, an overcoat that
is there
as a smile of a Cheshire cat that begins to reveal what’s inside and out, as the universe
begins to unravel before our eyes still shielded
from a lining
(a cerulean lining – a cloak of stars / a coated moving marble, the moon dancing in between).
It is such a special moment, in an apparent silence
where the spheres begin to hum to another key
(Another key?).

 

 

FinalTwilight_Lua_GuidaAlmeidaFoto

 


©Written and published elsewhere, by me – August 5, 2016  

 

 

 

Speaking of ”keys”, I’ll leave a Tony Williams gem..
I was searching youtube to just bring one of its tracks, but, it’s hard to choose one.
I don’t usually like to place a full recording, but, he’s no longer with us and it is hard to choose.

Wishing all a wonderful week.

 

 

 

.


Num intervalo de sobremesa

 

Estava aquele sorrir, enigmático e belo, a atiçar-me. O seu brilho encandeava o envoltório cerco da qual furava com inequívoco esplendor. Não há, não havia aljubeiro,  apenas  uma capa translucida entre esferas para que não se ofusque os sentidos. Seu brilho traçava uma belíssima elipse sobre algo que, mais do que aquilo que é, me trazia uma imagem Felliniana de si mesmo – vista por instantes num filme, e, tal como no filme, onde antes de julgamento – se navegava. Tinha decidido, por repentino cansaço se abater sobre o corpo, ir em busca de uma sopa de peixes, consoladora, na esperança de não haver argumento possível para que os que não se alimentam se alimentem. E ali fiquei, estampada naquele sorriso.

No intervalo de sobremesa, ao regressar, eis que o véu se dissipara e a dois dedos da linha do horizonte, de quem medisse, pairava já em tom cremoso, deslumbrante, e terno, tal como o caminho agora diáfono e delineado
(esse – cerca de um dedo de espessura, pela mesma medição, seguindo entre mim e o que se sente ser o infinito)
que se sabe terminar além do que é visível.
Pois é, a visão não tem curvas. Não as tem como terá a audição (por exemplo).
Ousando agora olhar para cima, o firmamento, pejado, amplamente se descortinara.
Sento-me.

Sinto a mão como se não fosse minha agarrar-me nos dedos de um pé (esquerdo, julgo que o esquerdo) que saía de baixo de uma perna não cruzada. Ouço o contraponto; ora em espelho ora em stretto, por vezes florido, tecido por ondas como se numa embarcação dentro do tal filme de que me recordara alguns instantes antes – o contraponto de quem está prestes a ocultar-me o sorrir celeste, como quem diz – ”Vai agora dormir. Vai.”
________________
(*suspiro* – no mais contrário possível ao magnânimo Pintor, que grande piroseira aconteceria se tentasse espelhar semelhante deslumbre.
Como…. ?
E porquê?
….Oh! Porquê.., pfffffffff, estou parva, mas é claro que assim é. Se assim não fosse, não teria graça alguma. É propositado)

 

DSC05639

 

cropped-13939566_10153937165037017_1827893818022345421_n


(© publicado originalmente 26 de Setembro, de 2017 noutro ”local”)

 

 

 

 

 

 

.


Astraeus unBound

 

There is an absence of Time when dusk comes upon the soft blue blanket, ebbing ever so gently.
I hear only the surface, a supple murmur,
Coeus is shifting
as I sink into Panthalassa’s ghostly remains.
Remains?
Nothing remains but the soft whisper
growing louder
as each grain pronounces an astral beat
within a song of the ages.

 

 

 


 

sandbox_GuidaAlmeida

 

 

 

 


(© originally published without its title elsewhere, August 25, 2017)

 

  • Astraeus and The Blue Hour – part two***
    (Astraeus unBound)

Astraeus and The Blue Hour – part one
(Astraeus Bound)

Astraeus and The Blue Hour – part three
(Astraeus & Zephyr)

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

.

 

 


No Prancing For Ponies..

As all-seeing, all-hearing Helios takes his “fire-darting steeds” deep into Oceanus’s open arms, in our slumber, we question not his return.
The firmament revealeth its fiery gems and we seek its worth, not wondering how to travel distance and time, through slumber, and awaken unto another day.
We sit and breathe in each heavenly body, innocent of it’s age , its journey , its permanence or demise, and linger on into the night.
The moon rabbit feeds the horses 
–  hoping to go unnoticed,
they loose their wings,
scurry off into a tour bus, but
are caught.
And thus we are returnéd unto another segment of that plotted path, within a macro geography of Time and Space, unaware of such escapades.
Helios is quite strict in running operations – no prancing for ponies (yet).

 

 


(© originally published elsewhere, January 25 – 2018, shortly after midnight)

Helius the Sun - detail on a red figure style crater-vase

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

photo credits: DREA (www.D-Rea.com)

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

  • I did not take either photograph.  For photo credits, please click on each picture
    (if the images do not open to a separate linked page, here are the photo credits for both:
    1 – Helius the Sun | photo source : http://www.theoi.com/Titan/Helios.html
    2 – photo credits: DREA (www.D-Rea.com)
    – Red Eagle Appaloosa

 

.

 

 

 

 

 

 

:

 

 


Batatas, mas fritas.. (por construcções)

 

 

 

na busca de um qualquer paraíso, idílico  Estar, onde espírito, sentindo repouso porém sem adormecimento dos sentidos, desejos, e anseios por algo (que são coisas que nos acordam), e sem que se canse, aqui ou ali, pelas vicissitudes da vida, no se Ser e no Devir, de etapa em etapa, que se cruza / sobrepõe /  ou corre por intervalos ao longo do tempo *….

(Tempo, aquele espaço que tem um fluir, numa direcção aparente, mas que pelos filtros e limites de nosso entendimento, que por graça não é perfeito (que alivio, não o ser, não é?) – vai num ou noutro sentido, por vezes mais, por vezes como se numa geometria das esferas, em bola, ou coisa assim)

* …onde uma pessoa o idealiza, buscando-o, desejando-o, no local de origem, ou noutro,

é uma busca motora existencial, tanta vez, e para tantos, e natural, mas,
onde a vida (amor, lutas, et cetera) e seu palpável sentido, aquando / a quanto – busca, ela própria que mói, ou pode moer, é aqui que uma pessoa vê,
– o significado que pode ver (entre outras, mas sobretudo este) num maratonista.  (E não só isso, naturalmente. Nem no boneco (do maratonista), nem na busca).

 

 

 

 

 

________________________________________________________________

– que construcção mais estranha de frase a que acabo de ver, em mim, como producto que se dá ou recebe, por nós mesmos (logo à partida), mas da qual cada vez mais é difícil em lhe fugir, serão cascas de uma qualquer cebola, metafórica, do Ser / Estar / Devir ?
Não sei bem.
Mas, tanto faz (creio).

 

 

 

 

Vou fritar umas batatas. ”Ó mãe, o cão está a ladrar..”.
hmmmmm… Onde é que pus o telefone? , eu ouço-o mas não o vejo… ”Ó mãe…”
( bolas, acabei de pisar uma coisa que se colou aos pés..). Cão anda cá, não precisas ladrar assim, que coisa.. Onde está a bola?

Uf, guitar,cello study III

oil on paper © G.A


Gallery

Sol_O (solo)

This slideshow requires JavaScript.

ÀMarGAr

Sol_O
solo
sol-ow / yet sol-ight

*(sol_O, ..na Basilica da…)

Basilica da Estrela…

                                                Sometimes

                          one doesn’t need to think much to see the reason behind a name..

                       …i supose..

____________________________________________________________

note: sol = sun, in Portuguese
estrela = star

photographes: G. Almeida

.

.

View original post