Artwork / Paintings / Etchings / Music & Art News / General News

Posts tagged “Poetry

Prelude & Basso Ostinato, Ballada, Prelude, Harlem Mist, and Angelico (- and – I suppose I may be tempted to leave a Haiku – but – only after listening to Angelico or the previous prelude. Hmmmm – perhaps a Sicilian Tercet…)

 

Ah, but, I must soon stop hovering and awaken.

(ok- it’s true I did see the sun rise – but – I’m still in that blue hour mode)

__________
Good morning.

 

 

(Prelude & Basso Ostinato

 

 

 

 

(Ballada)

 

 

 

 

(Prelude – from the ”Petite Suite”, performed by M. Henriques)

 

 

 

 

(Harlem Mist)

 

 

 

 

 

 

(”Angelico” – from Musica Callada  / Book 1 – 1)

 

 

 

(haiku)


Dripping rays of light
trickling through – key after key
as the gentlest rain

 

 

 

 

 

 

 


(Sicilian tercet)

 

trickling, A sweet torrent mist in the night,
adrift mid-air then settling  in layers,
wraps yon blue hour as it comes to full height

 

from that moistened, warm heart that drifts and sails
aloft, mid-air then settling in prayers
as the blanket is woven –  for one’s trails

 

 

 

 

 

 

 

 

_________–_______________

 

 

 

 

 

 






Ok – ok – I had seen the following video posted and had saved its LINK  to watch later when I’d come back .
(so I’ll leave it here as well, for when I come back). It was to have been posted yesterday, but I got sidetracked.

 

 


Wishing all a nice day –

close up photo of dog wearing sunglasses

Photo by Ilargian Faus on Pexels.com

 

 

 

.

Advertisements

Bird, little bird

 

IMGP5275_GA

 

IMGP5277_GA

 

 

 

 

 

 

When you learn to fly,

But you haven’t any wings

When you stand and cry —
                                       

                ( : )

                                                                                                                            

simply standing – dry,

the rain within pours and stings,

and it hurts and sings —           

                         

in a holy plight,

in battered flight, wavering

your hand – favouring

 

 

because

it’s

warm before the night.

 

 

 

 

 

 


59 syllable poem.  –   ”575 575 575 215” form | 3 haiku +  3lined strophe
                                            

 

 

poem dedicated to a little bird

 

 

 


 

 

 

An annotation to the poem:  in brackets I leave a *Key / Legend – as if in a map, for its reading.

(59 syllable form of 3 haiku + 3lined strophe | in mus. comp. terms it would be a Da capo Aria, but, in truth, more towards being a small French Overture form, where the Da capo section precedes (can precede, that is)  those that follow, that can be on there own – with the Da Capo section and independant of each other in their own ”section”, or linked between the three that follow in their present order, or, a variation if expanded to a larger structure. This description of ”structure”, is mainly for my own benefit – and as a mnemonic – for Musical Form, in case I hit the keyboard latter on (for instance, because my poor brain functions more freely as a musician, when looking at form and structure).  I shall leave, however, a punctuation mark – a full colon – to represent the Da Capo section before it, in light blue). As I also see the this somewhat as another sample of a ”fugued poem” form, as well (I have a couple), where each line of the Da Capo section can stand on its own – for the the *variations in mind,  the full (or rather, the expanded version) of this I shall leave below (also in light blue)  .

 

 

 

When you learn to fly  

The rain within pours and stings    

Your hand, favouring   

But you haven’t any wings   

In a holy plight   

Because its warm in the night  

Simply standing – dry, 

When you stand and cry,   

In battered flight, wavering      

 

 

 

And
Because
it’s warm, sing .

 

 


(variation: section 575757557 123 –   and varied off the 575 575 575 215) 

 


Finale: 
[215 557755575(or 7) –  a 59 syllab, form(or 61, if seen as a * 2nd variation*).  ]


 

 

Because
it’s
warm before the night, 

 

Your hand, favouring
in a holy plight, 
in battered flight, wavering,
But you haven’t any wings
Simply standing – dry,
And it hurts and sings,
When you stand and cry,
The rain within pours – and stings,
Because it is warm – (because it’s warm before the night) .  

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 


Listening, on the riverbank.. (open form verse, quantitative meter: 9 – 9 – 5 / 11 / 1 – 5 – 2 )


 

 

 

 

 

Sometimes Coltrane,  sometimes Bach, sometimes
whence flow  profound seas of Tchaikovsky

– cometh melted snows.

 

 

You feel the river bed move,
and there you sit,

warmed,

past Time and Season,

trickling.

 

 

 

 

(open form verse, quantitative meter)

 

 

 

 

 

 

.

the bear

 

Sung the babbling brook

dancing cooly in the breeze

in sweet surrender

 

to a soft chinook

as it passed, warm and ternder,

fragrantly through  trees,

where the humming bees

parade their brightest yellow

to a flutt’ring halt

 

where lay

the

stiffened furry bear.

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 


 

zoo bear

Photo by Rasmus Svinding on Pexels.com

 

 

 

 

 

 

 


 


59 syllable poem.  –   ”575 575575 215” form | 3 haiku +  3lined strophe

 

 

 

 

.


3 haiku

 

a fractal casting
of Euclidean silence
dances on my leg

 

 

 

a rustling of leaves,
tangents – timidly pacing
the night  on each foot

 

 

 

 

 

 

 


 


©

sprawled upon the ground
lay many moving shadows.
– just shuffled through three.

(this very moment..)

 

 

 

 

 

 

 

 

.


Haiku (son of Zeus – son of Hera)

the battle blazes,

doth glow the fields of repentence

— upon bodies, stacked.

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

© Guida Almeida

pormenor

 

 

 

 

 

 

 

 

.

 

 

 

 

 


Haiku (night)

stars carried, slowly
the lone cricket dreams nested
next its almond tree

 

 

 

 

 

 

 

 

 

.


Sicilian Tercet

- I was to give this to the man who enspired it, but my mom insisted on having it - ♥ with his blessing

 

Each sonnet difts in a slumber of hosts

with wings extended glide the depths of night,

all lines surrendered, untangled their ghosts.

 

Guided by form,  accounted by texture,

a blanket, thick woven, fashioned through flight,

all placed, all aligned – thought, whim and gesture.

 

They play, they soar, they dip in pirouettes

never fumbling, they moor, come without fright,

encircling, danced – embodied minuets.

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

To feel the earth beneath your aching feet

and pace the depths of your sole’s (soul’s) perceptions

past the glaze of Time’s preordained retreats.

 

Cometh the dawn with merriments and
______unto swirl and line entangled

 

 

 

 

 

(90 + 30 + 17  = 147 | 147 + 3 ∈ ) 


Haiku (haiku & Yellow Blue – Kandinsky colours 2) 

feet on the warm sand

eyes drifting brisk high, brisk low

swells of indigo

 

 


 


Haiku Yellow Blue

Kandinsky colours 2

Colours two (?) line 2  (?)  

( ? ) – to / two / too 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

_____________

(Although I do not want to impose in any way any imagery of mine outside of what the words suggest,  so as to leave that to each that should com upon this post, I confess that I can’t help myself from leaving a picture of my dog on the beach when he was but a pup.. I love this picture.  I know what I’ll do, I’ll leave it way down on the post, in hopes of not ruining the read)

 

 

 

 

 

 

 

 

.


Mal vejo os dedos e no entanto vejo-o ali, esvoaçante, junto a um conto antigo que se desnuda conforme a noite avança na sua concava natureza, por esta esfera

***
Desvendado o firmamento, um risco lunar timidamente esboçado, cortante o seu fulgor enquanto rasga as frias trevas da noite, rapidamente se passou para além de meu horizonte.

( horizonte?  O horizonte é algo que nos transcende, como a pele de uma maçã ao se percorrer o seu perímetro ou profundidade e  se   torna
mutável ).  **
Olho para cima e ei-lo, o Pégaso esvoaçante, móvel porque me mexo, mesmo que aqui parada aparento estar.
Parada entre as sobras das sombras que se criam e se desfazem a cada instante enquanto tomam corpo noutros mapas celestes e que no entanto me enxergam aqui como se parada no tempo pelo tempo que duro, estou.
Serei um palmo de tempo num corpo que mexe,  ptolemaico,  redondo,  o seu som molhado e seu trajecto girante  junto à chama que lhe faz anil a meus olhos quando aqui não estão.   
Pelo horizonte me meço e por ele estremeço ante o astrolábio que me concedeu o Navegador-Mor. Por vezes anda mal tratado, caindo ao chão como um qualquer par de óculos que me esqueço de usar… Encontro-o quando o penso perdido,  no olhar do cão que encosta o seu nariz ao meu, numa voz vizinha que me chama e me pede um chocolate quente, noutra que se propõe a cortar-me os longos cabelos ou numa criança, rabina, que não entende a razão que o cavalinho que montara num supermercado e que muda de cores – parou. Ele tem uma capacidade em me surpreender, como quem diz – ”Estou aqui, sua tonta”.   Perdoa-me os meus defeitos, o nónio foi feito por uma matemática sem a mácula.

Mal vejo os dedos e no entanto vejo-o ali, esvoaçante, junto a um conto antigo que se desnuda conforme a noite avança na sua natureza concava desta esfera.  ***

 

 

Dal Segno (𝄋)  al Codetta (⊕)   & /   al Coda (⊗ ) 

|:


***(:| |:)

  𝄋 

 

(Mal vejo os dedos e no entanto
vejo-o ali, esvoaçante, junto a um
conto antigo que se desnuda
conforme a noite desta esfera
avança, na sua natureza,
concava.)


***  (:|  or    |: & :|)

***(alt. 1º⌋   &  ⌊2º ending  to repeat signs – or – straight 1x repetition  )
(alt. – Segno )

(𝄋)

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 


(© the above transcript was originally writen elsewhere – Decembre 23, 2017)

 

 

 

 

 

 

PianoCliffNo3_GuiAlmeida

piano cliff III – © G.A

 

 

 

   (Codetta  / Coda   & DcC-Fine ∑ ) :

Agora não liguem, o que se segue são aqueles meus exercícios em modo – ”Resnais”,  e também  próprios de quem lida (por exemplo) com contrapontos diversos que,  podem não alterar a Harmonia estructural (pelo menos de forma significativa), porém,  dizem de forma especifica quando isolados coisa diferente – na  mesma linha.
(-coisa de músicos, portanto, não liguem).

 

 

 

( ) 

 

***   ( |: & :|)

** ( horizonte?  O horizonte é algo que nos transcende, como a pele de uma maçã ao se percorrer o seu perímetro ou profundidade e  (que)  se   (con)torna  ( , )
mutável ) .

( o horizonte?  O horizonte é algo que nos transcende como a pele de uma maçã ao se  percorrer o seu perímetro ou profundidade e  se  contorna 
mutável ).

( o horizonte?  O horizonte é algo que nos transcende  como a pele de uma maçã ,   ao se percorrer o seu perímetro ou profundidade e (que) se contorna ,  
mutável ) .


( o horizonte?  O horizonte é algo que nos transcende, como a pele de uma maçã ao se percorrer o seu perímetro ou profundidade e que se  torna  
mutável ).

( o horizonte?  O horizonte é algo que nos transcende como a pele de uma maçã ao se  percorrer o seu perímetro ou profundidade que se  torna 
mutável ).

( o horizonte?  O horizonte é algo que nos transcende, como a pele de uma maçã ao se percorrer o seu perímetro ou profundidade e se contorna).

( o horizonte?  O horizonte é algo que nos transcende como a pele de uma maçã ao se percorrer o seu perímetro ou profundidade e  se  torna  
mutável ).

( horizonte?  O horizonte é algo que nos transcende,  como a pele de uma maçã ao se percorrer o seu perímetro ou profundidade torna-se 
mutável ).

 

( ) 

*  serei um palmo de tempo:
– ptolemaico
– ptolemaico, que mexe
– redondo
– que mexe, redondo
– girante
– que girante se mexe
– que ptolemaico e redondo e girante  se mexe
– molhado
– que redondo, ptolemaico, molhado e girante , se mexe.

(Um palmo de tempo e de som e trajecto que  molhado, ptolemaico, redondo e girante – se mexe. ) 

 

***   ( |: & :|)

 

 

   DcCF (the  ”da Capo – fine” of the Coda) :

( ∑ 

Mal vejo os dedos e no entanto vejo-o ali, esvoaçante, junto a um conto antigo que avança conforme a noite, (por esta esfera), se desnuda na sua concava natureza.

 

(Mal vejo os dedos e no entanto

vejo-o ali, esvoaçante, junto a um
conto antigo que se desnuda

 
conforme a noite desta esfera
avança,
na sua natureza,
concava.)


 

***   ( |: & :|)

 

 

 

 

 

 

 

 

_________________________________________________________________
(uma anotação, como lembrete para mim mesma)

-Ao contrário de uma partitura lida por um músico,
onde se seguiria pelas regras estabelecidas dessa arte,
os sinais que regê-la-ão em termos estructurais
(os da Repetição: ”, do Segno 𝄋 ”  , ou os  utilizados
para
Codetta ”  ”  e para Coda  ” ”   assim como aquele
que aqui emprego para designar
uma eventual componente final
de um Coda
” )  – servirão apenas como sugestão  para
uma de duas coisas, para que se siga com a disciplina
de um músico, ou, em vez disso, com uma liberdade
interpretativa de tais símbolos como se um não músico
as estivesse a ver ou num espirito semelhante ao do
Resnais.

 

Fim de texto, de quem afinal não passa de uma ”interprete” e que
olha, que – continua a olhar por exemplo, um G. Steiner, com desconfiança enquanto
levanta o nariz em protesto

(e que,
teve de se apaziguar com um amado trecho de Bach).

 

hmmmmmm… não sei se chega, creio que preciso de mais um trecho, pois acordei com mau feitio (e isto hoje está mau) –  https://www.youtube.com/watch?v=yMHMSnTQM54

 

 

 

 

 

 

 

.


Somewhere – between Now and the Third Versicle


(Jimi singing Dylan’s – All Along The Watchtower – arrises in my mind’s ear, in a subtle crescendo as if it were the commencement of the dawning of the sun yet be it the night)

 

cropped-p21-04-12_17-011.jpg

 

 

 

 

 

 

 

 

 

The night falls – its winds still elude unto visions of misconceived footmen lining each front, and yet  – the cricket sings.
As Babylon runs in its rivers, weeping wet, still can I not see – nor the olive groves of Galilee, nor the seas of all Being and enchantments.  These most assuredly lie somewhere between now and the third versicle of the Song of Songs.
The wind shall growl, the Watchman shall sit – until the cricket leaps a perfect fifth, perhaps a minor sixth
(to a comely bass).

 

 

cropped-img_1237.jpg

 

Somewhere Between Now And The Third Versicle

(© written elsewhere by me, Aug. 19, 2018)

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 


(N. i. s.)

moonlight on sea - G.A.

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

.

 


Astraeus unBound

 

There is an absence of Time when dusk comes upon the soft blue blanket, ebbing ever so gently.
I hear only the surface, a supple murmur,
Coeus is shifting
as I sink into Panthalassa’s ghostly remains.
Remains?
Nothing remains but the soft whisper
growing louder
as each grain pronounces an astral beat
within a song of the ages.

 

 

 


 

sandbox_GuidaAlmeida

 

 

 

 


(© originally published without its title elsewhere, August 25, 2017)

 

  • Astraeus and The Blue Hour – part two***
    (Astraeus unBound)

Astraeus and The Blue Hour – part one
(Astraeus Bound)

Astraeus and The Blue Hour – part three
(Astraeus & Zephyr)

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

.

 

 


Por vezes vemo-nos de mão dada com uma banda sonora, e, caminha-se pelo corpo, e pelo dia, adentro (como se de mão dada, caminhando acompanados de uma ”voz-off”, que vai e que vem, como se em marés de consciência e de abstração mais, ou menos, aparente).

Não me sai a ‘Lacrimosa’ da cabeça, está como se num «loop» de comprimento largo, que retoma… parando de quando em quando, como que num soluçar, e retomando…
Enquanto o contraponto e linha sobe, em voz múltipla (múltipla crescente, que balouça, que embora não aumente por aparência, o faz, como que degraus, aumentando com cada balouçar como se em maré que se sucede de onda em onda, num fluir, um fluir que sobe, enquanto ondula em frente)
tangida e entoada, quase sorrateiramente (mas que não é),
ascendendo e tomando (quase delicadamente (mas que não é embora o seja) )
que sereno ou douce (num não agreste) – ou forte (que não o é embora o seja),
como quem sobe de degrau em degrau até um patamar fundo,
subindo,
com um corpo em descanso, que sobe degraus,
embora direito, cabeça para baixo embora para cima veja..
(Que dizer? como descrever?)
..como as folhas que caem (só que em contrário movimento),
que sobe,
por degraus,
de linha e contaponto que balouçam
de catarse em catarse por cada degrau

que sobe numa escadaria metafórica,
que numa obra nos leva e nos lava a alma
de toda a chuva do íntimo e interior,
que estanca e verte o sangue das emoções,
que já não se verbalizam
(para cicatrizar),
que soam no ouvido da mente e da alma
(da alma que assim sobe, através de uma banda sonora que o dia apresenta
ao abrir dos olhos antes, e depois, de tomar café)
porque a alma, ela sabe, mesmo que calendários não veja,
A alma sabe a banda sonora que escolhe no acordar de qualquer dia
– numa obra que..
num Mozart que
se veste
dentro da alma,
como um douce manto que protege,
como se um casaco (interior),
que antes de verbos tomarem a mente que acorda nesse dia, e a acompanhe,
pelo dia adentro…, como se em «loop»
de comprimento largo, que retoma…, parando de quando em quando, como que num soluçar, e retomando…

– (vou tomar o pequeno-almoço, com a banda sonora que me acompanha neste dia, de passo em passo)

______________________________________

Há dias em que
a banda sonora que se nos vem, nem é um Coltrane ou um Bach,
um Mahler, ou Hendrix, ou outro, …….
– É assim.

É um Mozart.

E,
e olhando de relance o calendário dos dias, percebe-se
percebe-se a alma que assim se decidiu vestir antes de verbos virem.
Pois, a alma sabe o que precisa vestir antes de tomar corpo no dia.
Por vezes acontece na penumbra entre o sonho e o acordar.. assim.
Ela saber como se vestir para se proteger no dia para enfrentar o frio
que pode vir,
que pode vir de qualquer dia,
que pode vir em qualquer dia.

  • Bom, o som já se está a desvanecer
    enquanto surgem os sons da rua, outras vozes que de bocas saem, de cão, de carro, de pássaro…
    Esvanece a cada passo que se dá até à maquina do café
    que está
    do outro lado da alma.

E vejo o que pousara agora na mesa, que truoxera ao descer das escadas (agora reparando que, no adormecer, na abstração do mundo, das coisas, de quaisquer calendários,
já de madrugada, já neste dia
– que adormecera,
– de caderno e caneta na mão, com um começo de um qualquer esboço de uma peça que surgira, no topor de uma mente que relaxava, de palpebras a fechar.
Parece que é um monólogo, aparente, mas que não, ..não o é.  Está-se à mesa. Há uma pessoa que fala com seis que não se vêem, porém, suas cadeiras vazias estarão ocupadas, e há mais……
Há alguns que entram e saiem. Estes são outros, outros que interagem de quando em quando mas também em ”espaço / corpo negativo”. Eles vêm e vão à mesa..

Hmmm…?
Onde está o café?
(já cá venho)

_________________________________
P.S.
(eu sei qual é a interpretação que está na banda sonora apresentada,
mas se não está anunciada, também não a farei.., e mesmo até porque, a que ouço, como digo, em forma de «loop», nem é esta, embora dela se aproxime)

– Era para publicar algo que há mais de uma semana andava a escrever, mas, como só está como que um apontamento inacabado, para eu não me esquecer o que me tem surgido ao longo da parte final do mês, sobre um assunto, não é hoje, em que acordei com a alma que se vestiu assim, que o farei..

Apenas deixo um texto que se me surge por esse apontamento.
É um poema.
É de um autor que não sou eu. No fim estará o seu nome, como autor, que ele usa para se vestir na personagem de autor.

_________________________

Of war and peace the truth just twists
Its curfew gull just glides
Upon four-legged forest clouds
The cowboy angel rides
With his candle lit into the sun
Though its glow is waxed in black
All except when ’neath the trees of Eden

The lamppost stands with folded arms
Its iron claws attached
To curbs ’neath holes where babies wail
Though it shadows metal badge
All and all can only fall
With a crashing but meaningless blow
No sound ever comes from the Gates of Eden

The savage soldier sticks his head in sand
And then complains
Unto the shoeless hunter who’s gone deaf
But still remains
Upon the beach where hound dogs bay
At ships with tattooed sails
Heading for the Gates of Eden

With a time-rusted compass blade
Aladdin and his lamp
Sits with Utopian hermit monks
Sidesaddle on the Golden Calf
And on their promises of paradise
You will not hear a laugh
All except inside the Gates of Eden

Relationships of ownership
They whisper in the wings
To those condemned to act accordingly
And wait for succeeding kings
And I try to harmonize with songs
The lonesome sparrow sings
There are no kings inside the Gates of Eden

The motorcycle black madonna
Two-wheeled gypsy queen
And her silver-studded phantom cause
The gray flannel dwarf to scream
As he weeps to wicked birds of prey
Who pick up on his bread crumb sins
And there are no sins inside the Gates of Eden

The kingdoms of Experience
In the precious wind they rot
While paupers change possessions
Each one wishing for what the other has got
And the princess and the prince
Discuss what’s real and what is not
It doesn’t matter inside the Gates of Eden

The foreign sun, it squints upon
A bed that is never mine
As friends and other strangers
From their fates try to resign
Leaving men wholly, totally free
To do anything they wish to do but die
And there are no trials inside the Gates of Eden

At dawn my lover comes to me
And tells me of her dreams
With no attempts to shovel the glimpse
Into the ditch of what each one means
At times I think there are no words
But these to tell what’s true
And there are no truths outside the Gates of Eden

(Poema ”Gates of Eden” de: Bob Dylan)

.


A Bilingual Exercise

 

 

  • Visual / Verbal: bilingual interpretation of a dual conversation

 

  • uoıʇɐsɹǝʌuoɔ ןɐnp ɐ ɟo uoıʇɐʇǝɹdɹǝʇuı ןɐnbuıןıq :ןɐqɹǝʌ / ןɐnsıʌ

 

 

inominável

 

Lettre à un inconnu amour:

si tu es avec moi
j’irai avec joie,
ne craindrait rien, seulement
j’entendrai ta jolie voix,
et tes douces mains fermeront mes yeux.


Je pense que cela avait été une lettre de Bach à une de ses épouses,
mais je ne sais pas suffisamment l’allemand pour être sûr.

  • ˙ɹûs ǝɹʇê ɹnod puɐɯǝןןɐ’ן ʇuǝɯɯɐsıɟɟns sɐd sıɐs ǝu ǝظ sıɐɯ
    ‘sǝsnodé sǝs ǝp ǝun à ɥɔɐq ǝp ǝɹʇʇǝן ǝun éʇé ʇıɐʌɐ ɐןǝɔ ǝnb ǝsuǝd ǝظ

 

 

 


  • From one one form to another…

    ˙˙˙ɹǝɥʇouɐ oʇ ɯɹoɟ  ǝuo ɯoɹɟ

 

Reverie

 

 

Reverie – Within a state of contemplative absorption

I dreamt of you one night,
an evaporating face distant yet near.
I think I could even feel warm moist breath upon my neck;
within its cadence a “Come hither”

and away.. I was gone.

I know not your name but I feel the blood pulsing though your veins.
Enraptured, fixated by intense light ..
ah, “E pur si muove” you’ve turned your gaze.

Where am I?
When?

 


Zeca Afonso – a voice from the past that speaks to the future

.. e acabo de me lembrar que há 24 anos desapareceu-nos, deixou-nos fisicamente..




Zeca Afonso..

– uma pureza (de)em espirito, (de)em pessoa.




























“The Sands of Time” ( fotografia, G. Almeida)

http://www.rtp.pt/noticias/player.swf

_______________________________________

(En)

Zeca Afonso (2 August 1929 – 23 February 1987)






The Crowd

Time’s sands erode the outer casing
A constant change in aerodynamic stucture as one desintegrates
(and reintegrates)
swimming to the shore of Memory.

There I find:

grooves,
recollective lines of oblivion that sweep some of the grains
belonging to Mnemosyne.
Each an image, a shade, a fragrance.. a hussssssssssh..

After each wave wipes away the markings of Time only those deepest remain.
The essence of Being that shall always “Be”
as I carry each remnant grain in my very small
and utterly deep pocket.

An inner landscape that bears only some faces.
Shocked by the absence of some, unaware of the presence of others.
I hadn’t even realized you’d left,

A crowd,
a compost of Thought, Ouvre and Time.
A multiple,
a multitude of different “Yous”

I could be a different you for you are no longer.
but in truth –
I am another.

I am that which has always been, that which is
– and forever shall be..
all others.

Maria MFA Costa


Quinta-feira, 24 de Março de 2011

An Involuntary Redemption

(first posted at – GUIDA FINE ARTS )

“Kafka – © Guida Almeida
An Involuntary Redemption

Hope,that solitary mistress…
somehow abandons me, yet the sun doth shine somewhere
even though babies cry under bullets perhaps sold by my treasonous hand.
The air on the other side seems stale.
I dare not open the door for I fear the rumble of rats..
Persistently stalk, spread disease and invade my lost innocence,
they are are no friends of mine.
If they screech out my name I know them not.
Given no heed, at times the battle seems lost forever
by acts treacherous as they are involuntary.
Eyes not withstanding, a heart incapable of grasping a vision’s full compass,
The Lord thus eases my pain through an apparent blindness.
Still, in a myriad of fragmental imagery I am brought to my knees torn by tearful doubt.
Redemption of what I know not brings no solace.
and (to the East) I sigh
as I search.. and find but dark thought.
I thus come to you with my candle,
in an involuntary redemption

(To Libya,
to the human desert,
to gun running warlords as they greedily
murder me…
an utter rage of silence
and opposition)
.