Artwork / Paintings / Etchings / Music & Art News / General News

Posts tagged “Fine Art

…..em tom de fuga

 

 

India_Ink_on_paper_GuidaAlmeida03_2016
Ink on paper, Guida Almeida – 03 / 2016

 

Vincent_van_Gogh_-_Sunflowers_(Metropolitan_Museum_of_Art)
 Two Sunflowers –  oil on canvas, Van Gogh 1887 

 

enamelRedAndIndiaInkOnPaper_GuidaAlmeida_03_2016
 mixed media on paper, 33,5cm x 42cm, G. Almeida, 03 / 2016

 

Vincent_van_Gogh_-_Bloeiende_pruimenboomgaard-_naar_Hiroshige_-_Google_Art_Project
 Bloeiende pruimenboomgaard  (naar Hiroshige) – oil on canvas, Van Gogh 1887

 

1890-Vincent-Van-Gogh-Amandier-en-fleurs-Huile-sur-Toile-73x92-cm-Amsterdam-Rijksmuseum-Vincent-Van-GoghAlmond Tree Blossoms – Vincent Van Gogh,  oil on canvas,1890

 

blossomsPhotoGuidaAlmeida
photo – G. Almeida
sans titre_parJeanPaulRiopelle1955

 

 (Ink & Watercolour on paper,
Jean Paul Riopelle 1955)

 

 

FuguedPoemGuidaAlmeida___March2016

 

Hapi’s sibling – iseetheriverbeforeme – Flowing in Prayer form : originally posted elsewhere April 2013, by G. Almeida ,
is a ”fugued ” poem  
 for better reading -please click on the image to zoom in

 

 photo___GuidaAlmeida
 photo – G.Almeida

 

 Peacocks_and_Peonies_I_and_II_(LaFarge)JPG
(detail of photo taken by James Steakley, of)  Peacocks and Peonies I and II  – stained glass, John LaFarge  1882

 

monet.wl-clouds
 Water Lilies – oil on canvas, Monet 1903

 

 1225px-Vincent_van_Gogh_-_Banks_of_the_Seine_with_the_Pont_de_Clichy_in_the_Spring_(1887)River Bank in Springtime / Banks of the Seine with the Pont de Clichy in the Spring –  oil on canvas, Van Gogh 1887 

 

Bach
Bach Bach
Bach Bach Bach Bach
Bach Bach Bach Bach Bach Bach Bach Bach
Bach Bach Bach Bach Bach Bach Bach Bach Bach Bach Bach Bach Bach Bach Bach Bach
Bach Bach Bach Bach Bach Bach Bach Bach
Bach Bach Bach Bach
Bach Bach
Bach
ᙠɒɔʜ ᙠɒɔʜ
ᙠɒɔʜ ᙠɒɔʜ ᙠɒɔʜ ᙠɒɔʜ
ᙠɒɔʜ ᙠɒɔʜ ᙠɒɔʜ ᙠɒɔʜ ᙠɒɔʜ ᙠɒɔʜ ᙠɒɔʜ ᙠɒɔʜ
ᙠɒɔʜ ᙠɒɔʜ ᙠɒɔʜ ᙠɒɔʜ ᙠɒɔʜ ᙠɒɔʜ ᙠɒɔʜ ᙠɒɔʜ ᙠɒɔʜ ᙠɒɔʜ ᙠɒɔʜ ᙠɒɔʜ ᙠɒɔʜ ᙠɒɔʜ ᙠɒɔʜ ᙠɒɔʜ
ᙠɒɔʜ ᙠɒɔʜ ᙠɒɔʜ ᙠɒɔʜ ᙠɒɔʜ ᙠɒɔʜ ᙠɒɔʜ ᙠɒɔʜ
ᙠɒɔʜ ᙠɒɔʜ ᙠɒɔʜ ᙠɒɔʜ
ᙠɒɔʜ ᙠɒɔʜ
ᙠɒɔʜ
ᗷɐⅽµ ᗷɐⅽµ
ᗷɐⅽµ ᗷɐⅽµ ᗷɐⅽµ ᗷɐⅽµ
ᗷɐⅽµ ᗷɐⅽµ ᗷɐⅽµ ᗷɐⅽµ ᗷɐⅽµ ᗷɐⅽµ ᗷɐⅽµ ᗷɐⅽµ
ᗷɐⅽµ ᗷɐⅽµ ᗷɐⅽµ ᗷɐⅽµ ᗷɐⅽµ ᗷɐⅽµ ᗷɐⅽµ ᗷɐⅽµ ᗷɐⅽµ ᗷɐⅽµ ᗷɐⅽµ ᗷɐⅽµ ᗷɐⅽµ ᗷɐⅽµ ᗷɐⅽµ ᗷɐⅽµ
ᗷɐⅽµ ᗷɐⅽµ ᗷɐⅽµ ᗷɐⅽµ ᗷɐⅽµ ᗷɐⅽµ ᗷɐⅽµ ᗷɐⅽµ
ᗷɐⅽµ ᗷɐⅽµ ᗷɐⅽµ ᗷɐⅽµ
ᗷɐⅽµ ᗷɐⅽµ
ᗷɐⅽµ
ʜɔɒᙠ ʜɔɒᙠ
ʜɔɒᙠ ʜɔɒᙠ ʜɔɒᙠ ʜɔɒᙠ
ʜɔɒᙠ ʜɔɒᙠ ʜɔɒᙠ ʜɔɒᙠ ʜɔɒᙠ ʜɔɒᙠ ʜɔɒᙠ ʜɔɒᙠ
ʜɔɒᙠ ʜɔɒᙠ ʜɔɒᙠ ʜɔɒᙠ ʜɔɒᙠ ʜɔɒᙠ ʜɔɒᙠ ʜɔɒᙠ ʜɔɒᙠ ʜɔɒᙠ ʜɔɒᙠ ʜɔɒᙠ ʜɔɒᙠ ʜɔɒᙠ ʜɔɒᙠ ʜɔɒᙠ
ʜɔɒᙠ ʜɔɒᙠ ʜɔɒᙠ ʜɔɒᙠ ʜɔɒᙠ ʜɔɒᙠ ʜɔɒᙠ ʜɔɒᙠ
ʜɔɒᙠ ʜɔɒᙠ ʜɔɒᙠ ʜɔɒᙠ
ʜɔɒᙠ ʜɔɒᙠ
ʜɔɒᙠ

Bach Bach Bach Bach Bach Bach Bach Bach Bach Bach Bach Bach Bach Bach Bach Bach
Bach Bach Bach Bach Bach Bach Bach Bach
Bach Bach Bach Bach
Bach Bach
Bach
Bach Bach
Bach Bach Bach Bach
Bach Bach Bach Bach Bach Bach Bach Bach
Bach Bach Bach Bach Bach Bach Bach Bach Bach Bach Bach Bach Bach Bach Bach Bach

 

 

IndiaInkOnPaper_GuidaAlmeida_03_2016
ink on paper, 42cm x 33,5cm, G.Almeida, 03 / 2016

 

 Vincent_van_Gogh_-_Sunflowers_(Metropolitan_Museum_of_Art)Two Cut Sunflowers – Van Gogh, oil on canvas, 1887

 

mixedMediaOnPaper_GuidaAlmeida_03_2016mixed media on paper, 33,5cm x 42cm, G. Almeida, 03 / 2016

 

   Bach is a four letter word, as is the word in Portuguese for fugue. As it happens, in Portuguese – fugue, has another meaning. It means ”a leak”, an escape”  or ”to run”, as well.
So, I’ll just leave this post here and make a «fuga», go ouside and smell some flowers while I can.
I hope you have a lovely Spring.

Naturally, the beginning of Spring not only makes one think of flowers (and a ”reawakening” of the planet (that in truth doesn’t sleep, though it may seem to…) as it enters the season), the equinox landing on what during Bach’s time was his birthday brings to mind a poem first written in the end of March of 2013 (I call it  a ”fugued poem” because it reads also from the bottom line up, through every other line, from the centre out, from ”out” to ”centre”, or exchanging the three groups of four lines between themselves).
The days at the end of the month bring to mind what we now call Bach’s birthday, and also other birthdays (one very dear to my heart, and also Van Vogh’s).

How could I make a Spring post and not place Bill Evan’s – ”You Must Believe in Spring”?

 

I can’t.

 

 

 

 

 

 

 

 

 

And as I think of the planet’s apparent  ”reawakening”, as I mention above, and the authors that come to mind (those in this post, and another, who would have also celebrated a birthday at the end of the month..) how could I not include a sample of a new recording called – Gaia ?

I can’t.

 

 

 

 

 

Wishing all a wonderful Spring
♥ Take care.

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

.


Amadeo de Souza-Cardoso & Pablo Picasso (Oct 25 – and two towering figures in the world of Fine Art)

Two great men from the world of Fine Arts that thus share the day, both intimately tied to a date iniciating and terminating the grandest of all works of art.
October 25,1881 – Birth of Pablo Picasso
October 25, 1918 – Death of Amadeo de Souza-Cardoso

(Português)   Um dia que é assim ligado a duas forças (figuras) ENORMES no mundo das belas artes, pelo iniciar e finalizar da maior obra de todas – a vida.
Having stated the above in the first hour of the day I now reiterate my feelings and add other things that have been on my mind lately (but only a few)

 

 

I’ll also add some images of some of the works by both that I love so well.

As for the other thoughts..
I’ll place them below so as not to tinge or taint the beauty of both men’s oeuvre with ugliness

(well – I must admit that the last link isn´t so and for that reason I leave it last so as to end on a note of courage and  ethics)

Amadeo & Pablo

This slideshow requires JavaScript.

 

*************

 

Regarding the age we live in:
I leave a Saramago quote made 14 years ago plus links to articles from the past 24 hours

(in Portuguese some, and others in English)

 

Nós estamos a assistir ao que eu chamaria a morte do cidadão e, no seu lugar, o que temos e, cada vez mais, é o cliente. Agora já ninguém nos pergunta o que é que pensamos, agora perguntam-nos qual a marca do carro, de fato, de gravata que temos, quanto ganhamos…” José Saramago – Fonte: El Mundo (1998)

 

______________________________

 

(PT)
Do jornal – Jornal de Notícias:

«  “A senhora Merkel é responsável da Alemanha, eu sou responsável de França. Nós encontramo-nos na situação de ter de tomar decisões a favor dos países onde nunca fomos eleitos. E cada um de nós pode perceber que isso levanta problemas democráticos”, adiantou o presidente francês.

“Não temos mandato para gerir esses países e, por isso, temos de lhes pedir para que façam esforços (…) Mas se a Alemanha e França não tivessem decidido assumir as suas responsabilidades, onde estaríamos hoje?”, afirmou ainda Sarkozy.  »

– Lendo notícias destas só dá vontade de responder (como já disse a uma pessoa amiga em relação a este artigo):
Sim. Talvez estariamos nos os Sarentos que Sanrozy fala, sem dividas, é o que é.. pois é. Mas a verdade é que por muito que eles e seus anteriores tivessem pedido que no caso de países como o nosso, se desmantelasse o “tecido económico” que tinham (no nosso caso foi flagrante o quererem nos transformar numa colónia balnear, e pior.. quem nos des-governava na altura de entrar, e consequentes anos, na CEE.. aceitou.. qual cahorrito a abanar a cauda feliz e contente na sua incompetência grave.. pois)

 

_________________________

 

(EN)
Some of my more recent thoughts regarding Wikileaks are

– that It has been constantly “blackballed” by the very same institutions that have ruthlessly conquered the world and copiously bleed us without the bat of an eye (War monging Arms dealers & High finance / Banking institutions)
Why?
– because showing crimes of war, is deemed worse than beating men when they’re down, or starving. People who try to shed light upon that which is true criminal behavior (paint it as you wish, this is what it is), and-or  hypocrisy, are a threat to them (we understand.. If those that are bled awaken from their dream-like nunbness, said fiends have no future)

 

_______________________

 

(PT)  Nem de propósito e à semelhança da WikiLeaks temos estes que estão nesta notícia que provavelmente são olhados de lado por atacar redes de pedofilia, pois.
ver aqui – Diário de Notícias

e no
Público

_______________________

 

(PT)
E mais uma notícia sobre os senhores que nos obrigam a pagar com o dinheiro que não é deles, é nosso, juros sobre dinheiro que.. que é nosso e não é deles..

jornal – “Económico”

 

_______________________

 

(e deixo algumas das coisas que já tinha dito em relação a este video noutro lugar, em Português a seguir ao video)

 

Finally a video-clip from a couple of days back showing a young 24 year old war veteran protecting  those unarmed from harm’s way at the hands of whom supposedly had been appointed to protect..

Some of which one can clearly read as feeling shame from listening to his words.

 

 

  • «     uma coisa é um homem (com, ou sem consciência do seu corpo), erguer-se nos seus 24 anos (e quando digo “consciência do seu corpo” não me refiro ao físico que é o que se vê, mas sim o dos “herois” helênicos, do primeiro épico homérico, onde, como ainda hoje se diz, a coragem e/ou a bravura  vem como um acto do instincto, é imediato e instantâneo.. a bravura como acto sem tempo de raciocínio.. só reacção) Este homem de 24 primaveras, se nos colocássemos MESMO nos pés dele, educado como foi, e que se vê com ideais (certas ou erradas mas as tem, assim como valores que ele menciona “n” vezes), este menino foi mandado para uma guerra que sabemos injusta, mas que ele em nome de sua pátria defendeu.. e ao contrário de muitos pelo mundo fora, com tanta mortandade, este menino tem valores.. A reacção dele é instantânea para defender “civis desarmados”.. o resto não importa, ele tem muito tempo para perceber os erros do mundo e da ganância dos homens atrás do aproveitamento dos que têm nobre espírito.  Pergunto-me, quantos têm assim “corpo”, para defender e gritar a um “corpo” de polícias.. -“Where’s the honour in that? Where’s the honour in harming unarmed people”..

    Eu que odeio visceralmente a guerra curvo-me sempre ante quem, mesmo tendo sido exposto à perversidade das guerras assim defende os desarmados, ele também o está, e pede como se vê.. –  Pede algo que se subentende como sendo- “querem bater, então batam em mim, eu que lutei por vós.. F*****-se
    “.
    Ele tem 24 aninhos, é de Nova Iorque..,com tudo que tal facto implica.
    E é novo, se alguém tem o futuro nas mãos é ele, e outros como ele, que começam a questionar coisas, e ainda têm valores.. num mundo que não o tem.
    Ele está zangado com a autoridade.. e desafia-os..  A guerra, que para quem a sentiu, não ouso imaginar, será horrendo e não deve fácilmente sair da psíque.. ao ser confrontado por outro/s amareicano/s de farda.. muito menos com o tempo que ele terá tido desde então.. 

    – E em relação a duvidas (…), encenado.. para e porquê?
    Já tive a experiência que chegue daquela cidade, que é uma das mais densamente popolacionadas áreas do planeta..
    É, se não a maior cidade dos EUA, uma das maiores.. é evidente que isto é mais que natural e provável ser, por todos os motivos e mais algum, genuíno. 
    (perdoem-me o lençol de texto.. -e nem falei de Gandhi, MLK, ou Mandela.. )»

 

  • «  E continuo a dizer, não só pela experiência que possa, ou não, ter vivido em tais locais.., mas até mesmo pela apetência mundial da última década de Big Bothers, e de  outros “reality shows”, que eram apenas aqueles exercícios (parece-me), das forças armadas para ver quem podia passar muito tempo fechado num submarino por exemplo..
    – Um mundo “policial”, que mesmo no lazer se tem colocado ante câmaras por lazer (os que televisão vêem).. enfim.  Não me custa nada acreditar nisto – de forma alguma, mas pode de facto ser apenas a minha ingenuidade.. »

 

  •  « E  viva o humanismo, mais quem ainda consiga ter valores, num tempo em que não as há.. viva quem defenda o desarmado.. amor pelo próximo, e de peito aberto/exposto

 

_________________________

 

An enlightened and uplifting October 25th to all.

Have a nice day.

 

Uma muito boa tarde a todos