Artwork / Paintings / Etchings / Music & Art News / General News

random thoughts

Prelude & Basso Ostinato, Ballada, Prelude, Harlem Mist, and Angelico (- and – I suppose I may be tempted to leave a Haiku – but – only after listening to Angelico or the previous prelude. Hmmmm – perhaps a Sicilian Tercet…)

 

Ah, but, I must soon stop hovering and awaken.

(ok- it’s true I did see the sun rise – but – I’m still in that blue hour mode)

__________
Good morning.

 

 

(Prelude & Basso Ostinato

 

 

 

 

(Ballada)

 

 

 

 

(Prelude – from the ”Petite Suite”, performed by M. Henriques)

 

 

 

 

(Harlem Mist)

 

 

 

 

 

 

(”Angelico” – from Musica Callada  / Book 1 – 1)

 

 

 

(haiku)


Dripping rays of light
trickling through – key after key
as the gentlest rain

 

 

 

 

 

 

 


(Sicilian tercet)

 

trickling, A sweet torrent mist in the night,
adrift mid-air then settling  in layers,
wraps yon blue hour as it comes to full height

 

from that moistened, warm heart that drifts and sails
aloft, mid-air then settling in prayers
as the blanket is woven –  for one’s trails

 

 

 

 

 

 

 

 

_________–_______________

 

 

 

 

 

 






Ok – ok – I had seen the following video posted and had saved its LINK  to watch later when I’d come back .
(so I’ll leave it here as well, for when I come back). It was to have been posted yesterday, but I got sidetracked.

 

 


Wishing all a nice day –

close up photo of dog wearing sunglasses

Photo by Ilargian Faus on Pexels.com

 

 

 

.

Advertisements

A moment (a fleeting moment, a poetic cadence, a moment)

 

 

 

There’s something rather poetic and difficult to describe when you chance upon opening an account you have on a social media network, and come across a piece you rarely hear performed (it’s a lovely piece, by composer: Francisco Lacerda).  It starts to play  and suddenly before your eyes appears something else.  As you look you inequivocally, and instantly feel yourself identify with the youngling, saying – ”Aw, the same as me with my dog”) – but, what you’re listening to takes you a such step beyond that,  it takes you a moment to fathom that chance poetic cadence, laced betwixt sight and sound, before you.
And thus you sit, enthralled, in a state of warm wonderment, beyond words and explanation.

 

 

 

 

 

 

 

(the above ”clip” may take a moment to load and be visible)

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 


The Cerulean Lining

Between Night and Day, when… – when
the balance between the ”subjective”
and the ”objective” in sight
is at that magical number, and evened;
when one can still feel the protection
of the blue overcoat, an overcoat that
is there
as a smile of a Cheshire cat that begins to reveal what’s inside and out, as the universe
begins to unravel before our eyes still shielded
from a lining
(a cerulean lining – a cloak of stars / a coated moving marble, the moon dancing in between).
It is such a special moment, in an apparent silence
where the spheres begin to hum to another key
(Another key?).

 

 

FinalTwilight_Lua_GuidaAlmeidaFoto

 


©Written and published elsewhere, by me – August 5, 2016  

 

 

 

Speaking of ”keys”, I’ll leave a Tony Williams gem..
I was searching youtube to just bring one of its tracks, but, it’s hard to choose one.
I don’t usually like to place a full recording, but, he’s no longer with us and it is hard to choose.

Wishing all a wonderful week.

 

 

 

.


Astraeus unBound

 

There is an absence of Time when dusk comes upon the soft blue blanket, ebbing ever so gently.
I hear only the surface, a supple murmur,
Coeus is shifting
as I sink into Panthalassa’s ghostly remains.
Remains?
Nothing remains but the soft whisper
growing louder
as each grain pronounces an astral beat
within a song of the ages.

 

 

 


 

sandbox_GuidaAlmeida

 

 

 

 


(© originally published without its title elsewhere, August 25, 2017)

 

  • Astraeus and The Blue Hour – part two***
    (Astraeus unBound)

Astraeus and The Blue Hour – part one
(Astraeus Bound)

Astraeus and The Blue Hour – part three
(Astraeus & Zephyr)

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

.

 

 


No Prancing For Ponies..

As all-seeing, all-hearing Helios takes his “fire-darting steeds” deep into Oceanus’s open arms, in our slumber, we question not his return.
The firmament revealeth its fiery gems and we seek its worth, not wondering how to travel distance and time, through slumber, and awaken unto another day.
We sit and breathe in each heavenly body, innocent of it’s age , its journey , its permanence or demise, and linger on into the night.
The moon rabbit feeds the horses 
–  hoping to go unnoticed,
they loose their wings,
scurry off into a tour bus, but
are caught.
And thus we are returnéd unto another segment of that plotted path, within a macro geography of Time and Space, unaware of such escapades.
Helios is quite strict in running operations – no prancing for ponies (yet).

 

 


(© originally published elsewhere, January 25 – 2018, shortly after midnight)

Helius the Sun - detail on a red figure style crater-vase

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

photo credits: DREA (www.D-Rea.com)

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

  • I did not take either photograph.  For photo credits, please click on each picture
    (if the images do not open to a separate linked page, here are the photo credits for both:
    1 – Helius the Sun | photo source : http://www.theoi.com/Titan/Helios.html
    2 – photo credits: DREA (www.D-Rea.com)
    – Red Eagle Appaloosa

 

.

 

 

 

 

 

 

:

 

 


Batatas, mas fritas.. (por construcções)

 

 

 

na busca de um qualquer paraíso, idílico  Estar, onde espírito, sentindo repouso porém sem adormecimento dos sentidos, desejos, e anseios por algo (que são coisas que nos acordam), e sem que se canse, aqui ou ali, pelas vicissitudes da vida, no se Ser e no Devir, de etapa em etapa, que se cruza / sobrepõe /  ou corre por intervalos ao longo do tempo *….

(Tempo, aquele espaço que tem um fluir, numa direcção aparente, mas que pelos filtros e limites de nosso entendimento, que por graça não é perfeito (que alivio, não o ser, não é?) – vai num ou noutro sentido, por vezes mais, por vezes como se numa geometria das esferas, em bola, ou coisa assim)

* …onde uma pessoa o idealiza, buscando-o, desejando-o, no local de origem, ou noutro,

é uma busca motora existencial, tanta vez, e para tantos, e natural, mas,
onde a vida (amor, lutas, et cetera) e seu palpável sentido, aquando / a quanto – busca, ela própria que mói, ou pode moer, é aqui que uma pessoa vê,
– o significado que pode ver (entre outras, mas sobretudo este) num maratonista.  (E não só isso, naturalmente. Nem no boneco (do maratonista), nem na busca).

 

 

 

 

 

________________________________________________________________

– que construcção mais estranha de frase a que acabo de ver, em mim, como producto que se dá ou recebe, por nós mesmos (logo à partida), mas da qual cada vez mais é difícil em lhe fugir, serão cascas de uma qualquer cebola, metafórica, do Ser / Estar / Devir ?
Não sei bem.
Mas, tanto faz (creio).

 

 

 

 

Vou fritar umas batatas. ”Ó mãe, o cão está a ladrar..”.
hmmmmm… Onde é que pus o telefone? , eu ouço-o mas não o vejo… ”Ó mãe…”
( bolas, acabei de pisar uma coisa que se colou aos pés..). Cão anda cá, não precisas ladrar assim, que coisa.. Onde está a bola?

Uf, guitar,cello study III

oil on paper © G.A


Sunday, Easter Sunday To Be Specific (before the setting of the moon) / Domingo de Pascoa ao luar das suas (das Suas) primeiras horas

 

 

 

My hand whisking across the horizon

changing its colour

wet

with each breath I have ever taken

dripping unuttered words from every finger

each drop a soliloquy of untangled thoughts

hair in the wind

muttering silences as I stop

Who’s there?

Your tomorrows

All my tomorrows?

Yes.

Those that live in each step

as you run in and out of each moment’s past.

And the present?

It is a moment that is not surrendered.

(yet)

Why?

Because it is unfathomable.

You can think of the past and the future

but not the present. It is unfathomable.

Within it lie all pasts and possible futures,

and all your living selves that are not always familiar with each other.

You feel you know you exist when each present moment is here, not “there”

and though you feel answers may lie “there” it is here you answer, not there

– and since you know not not ALL the THEREs

you feel the predicament of the present,

each fathomless,

present

instant.

It is the only moment you actually feel when you pinch yourself,

no other,

and you can not bargain what through the grace of existence you do not know.

But that doesn’t mean the present isn’t Whole, it is, Your’s (and Mine) is a fractal of present existance, thus ‘unbargainable’, and That

is the beauty of each fraction of existence, of each present.

It is the present of the Present, and the burden which is also

a present.

 

It presents itself

 

 

Unfathomable.

(and the more you fathom

the more you know you don’t,

and the more you know you don’t,

the greater the – Present (present) (presence) (presents) …….)

 

© Guida Almeida

técnica mista s/tela ©

 

 

 

Wishing everyone the best of Holidays – Happy Easter

G.

.


not many ways to mend a broken heart.. (bom domingo)

 

pormenor

pormenor

pormenor

pormenor

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

.


New Years – and new requests (um novo ano e um pedido novo)

Something about promoting airline tickets and respective companies with a picture of a plane taking a nose dive leaves me uneasy.

 

– makes one wonder if the company was bought by..
– or wonder if these people are helped out by that cute little mob that sells their crude oil at “peanuts” per barrel.
If so, if such is the case, the image makes sense I guess (who knows where publicists get their ideas from nowadays).

 

 

picture by Nelson Garrido used in - "Publico" newspaper article

 

 

 

Well I guess you may like to peak at this link that contains the advertisement I’m referring to.
Link – News article (in Portuguese)

 

I suppose it may be of use to look at the News article regarding that cute little mob of angry munchkins that sell their crude as mentioned above (and have done so for quite some time now it appears)  You know, they are that cute little band that oficially no one likes but have no problem selling their produce it seems.
Link – News Article (in English)

 

Well, at least in my case it sure would be comforting to know from whom airline companies (along with other entities and industries – be they public or in the private sector) get their petrol. In the case of airline services I do not suspect low-cost companies more than others that charge more to fly us around. I actually suspect them equally. Yes, such things would be comforting to know.
– Don’t feel like taking any rides till then..

I suppose this is my New Request for the New Year.

 

 

 

 

 

Photo credits for the image above: Nelson Garrido
– used in the “Público” news article:
►http://fugas.publico.pt/Viagens/343234_saldos-de-ano-novo-na-ryanair-com-voos-desde-9-99-euros

 

Happy New Year.

 

 

 

_________________________

 

 

Uma imagem que tem um avião com o nariz para baixo.. e a pique..
Bolas.
(medoooooo)

 

Não sei onde as brilhantes cabeças do “marquetingue”-ing vão buscar suas ideias luminosas mas creio que andam a fumar coisas estranhas.. Talvez tenha sido devido a excessos da noite do ano novo (quiçá). Quem sou eu para criticar?

(imagem encontrada no artigo do jornal Público – LIGAÇÂO)

 

 

Querem ver que esta companhia foi comprada pelos ‘bobís’ que vendem o petrol. a ‘peanuts’, lá naqueles lados complicados, que oficialmente ninguém gosta mas, onde o vão comprar.. Se foi entendo a imagem, claro, nada de publicidade enganosa.., orapoisclaro (para não embirrarem comigo, deixo a ligação para se saber de quais ‘bobís’ falo.. que bobís há muitos, bem sei..

LIGAÇÃO – notícia em inglês

 

Assim sendo já tenho um ‘pedido novo’ para o ‘novo ano’.
Gostaria de saber a proveniência dos produtos petrolíferos comprados e empregues nas companhias aéreas, assim como em outras de outra natureza, quer sejam elas públicas ou privadas.

Isto não quer dizer que o ter baixo preço seja uma manipulação ou jogo sujo, para obter lucros, pois no caso de bilhetes mais caros (e neste caso das companhias aéreas) nada me garante que não façam o mesmo.  Desde que há vários meses tomei conhecimento destes saldos no mercado petrolífero que desconfio de todos, os que vendem mais caro assim como os que vendem mais barato os seus bilhetes.  E não, não desconfio (infelizmente) apenas das companhias aéreas.
Já nada sei.
Apenas sei que tais notícias é mais que suficiente para não pôr os pézinhos numa aeronave, por exemplo, sem tal saber.. enfim.

 

Bom ano novo, a todos.
Espero que este ano nos traga menos insanidade ao mundo e vos encontre de saúde.

Bem hajam.

 

 

 

“Amelia – it was just a false alarm.. ” (how I hope it is, indeed)
Love this – I’ll leave it here. It’s always relieving to listen, touch, see or smell beautiful things be they the air, harmonies, melodies, birds in the meadow, fresh snow, the ground after it rains, the warm breath or voice of those we love, the movement of the hand (that hand) that touches your knee, the sun upon your face.. the giggling of children

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

.


Paths

    

(The Winding Way)

part one of two

part two of two

Kafka    (2005  tintas acrílicas s/tela )

 

 

 

 

 

some paths are embued in the sweet fragance of Life’s vigour

others seem to be misconstructions

from the kidnapped souls of bartered inexistence

(where)  

measured resilience

(is an involuntary witness)

– as one stretches beyond elastic limits                                                                   (. )

( , )
(and)

–  life, lost over anguish, hunger, dillusion                                                               (as)

(and)

– time                                                                                                                      (, )
traveled by an electric array of fractal movement through space                           (, )
helplessly implodes into reality.

What of it?

 To lose so much pain on the misery of others

to live
soggily

to barely breathe
through Futility’s nostrils
in tiny fotons of gasps
quantumly taken
from the alleged angel of light

how sad

       how truly
and utterly
vacant  

 

 

Why doesn’t the certainty of an ardently awaiting crowd of maggots

in that proverbial hole in the ground bring forth a will:

– for perception?

– to fathom?

– to be?

– ?

How many faraos?

How many?

How many does it take to see:

– a box full of void?

– death
or its decoy?

Under what firmament will – 
How long before – 

the lifeless celuloide of a thousand broken dreams
of others
for the gain of a mindless mimick of Man

mirror(s) the decay?

What profit is there                                                                                                                        (?)
– to happily wallow in  the shame of an inane existance                                                  (?)
tightly wound,  speeding swiftly and directly into a luke cold state of nothing    (?)

(to be dust under the feet of strangers… )

                                                                                               ?

******************************************************

I may be gone for a while thus I wish to leave something that always puts smiles all over my insides.

Wishing all a happy remainder of summer.

(take care)

 PART ONE of four

PART TWO of four

PART THREE of four

PART FOUR of four

.


An ode to the Summer

“you know … it’s Jazz, it’s freedom…”

 

(Branford Marsalis)

 

 

 

 

 

I feel a need for the summer growing within me..

 

 

 

 


Study II - oils on paper
by Guida Almeida

I’ll leave the words and images from a post I wrote elsewhere last week.

(Have a nice week)

 

 

 

 

 

Segunda-feira, 23 de Abril de 2012

Notes trickling from a tenor saxophone, drop by dropI hardly breath

The keys of the piano tingle
as they run down my spine
What, where, when…….. why?

Oh, the globe… that globalistic, spherable, round blue spot..
Nah,
I think I missed it
– perhaps I’ll catch the next ride but for now
I’ll just wait.

Here in a side-room next to the universe
where time stands still, Time after Time after Time after Time
and after

(words written to a Ben Webster recording accompanied by many silences.. sweet and otherwize )

Publicada por Margaridaem 19:39

Domingo, 22 de Abril de 2012

Silence

 

 

 

 

to be mentally silent..
– driving out pollution that encumbers all thought and recollection

can at times be more strenuous than climbing the highest pole with lubricated hands,

but when it finally comes (even for a fleeting moment..) I am almost returnéd.

Perhaps someday I’ll know the soothing comfort of watching the sun set next to a loved one in utter silence..

perhaps (even though I no longer believe in “silence” – but perhaps)

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 


He
(or she)
who knows the future knows nothing.

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

.


Tabula Rasa

 

..my mind.., ( my heart & soul ) is but a blank slate..  whereupon   life  inscribes  its  many  signatures . .

 

 

 

I  suppose  that  it  is  a  form of  ‘just’  irony  that  the  two  ‘tabulae’  (in blue)  coveted,  thence  destroyed  and
lost  to  the  realm  of  Oblivion  should  have  come  back
in  a  form  unwaxed  and  red

 –   in  a  hue  that  runs  in  my veins, imperfect  and  free,
unchallenged,
unabridged,
unwavering.

© Guida Almeida

© Guida Almeida

 

 

 

..se da vida faço uma tábula rasa a vida engargar-se-á de o fazer a mim..

 

 

 

 

 

E isto é mais forte do que o sangue que me corre nas veias..

 

 

( ou que a carne que se vai soltando dos ossos à medida que a gravidade actua )

© Guida Almeida

 

 
*

 

 

 

Há obras que se apresentam como estando ‘aparentemente’ desaparecidas.
Sim, tal como tudo nesta vida, podem até ser irrepetíveis e irrecuperáveis..
Entre outras coisas,  o mundo é outro assim como o conteúdo celular de seu(s)  autor(es)
( e sabe-se lá quantas vezes terão sido estes –

 o mundo,

o conteúdo..,

  mudados )

É sempre uma verdade inegável que o Tempo e as restantes dimensões por onde passamos nos inscrevem as suas histórias no nosso Ser, e mesmo que algo as tente apagar, elas surGirão duma ou doutra forma pois continuam a correr-nos no sangue, e esse..
Esse só parará
quando tiver de parar.

 

 

Sobre algumas cores:

Mesmo que não soubesse através da natureza

que o Azul é “côncavo” em praticamente todas as situações,

o Amarelo – “convexo”,

resta-nos uma primária,
– o Vermelho.

Esta, tal como o seu oposto,
( ‘secundário’ )
que  junta  o convexo ao côncavo,
o Verde,

são estáticas.

Não vêm nem vão, ficam.

*

.. assim como a memória de um par de aniladas  ‘Tabulae’ doutro(s) mundo(s)..

.

.

.

 
Tabula rasa – ( Arvo Pärt : Lithuanian Chamber Orchestra/Saulius Sondeckis; Gidon Kremer; Tatjana Grindenko; Alfred Schnittke – 26′ 26″ )


Fratres – ( Arvo Pärt : The 12 Cellists of the Berlin Philharmonic Orchestra – 11′ 50″ )


Fratres – ( Arvo Pärt : Gidon Kremer; Keith Jarrett – 11′ 25″ )


Cantus ( Arvo Pärt : in Memory of Benjamin Britten – Staatsorchester Stuttgart/Dennis Russell Davies – 5′ 01″ )

 .

.

.

.

.

 I always thought that regardless of being well deserved or not – certain “scores” seem to have a way of making the work drift away..
such is
the way of “things”

.

.

.

.

.

.

.

.

.


A tired hand

Por vezes bate a saudade,

nem sei bem de quem nem de quê, mas aparece e agarra-se aos ossos..

In the winter of our solitude comes Night.

It seems to bear a resemblance to lost and estranged children.

You want to embrace them but can not,
they are reflections
of your murdered selves.

They know you not,
they’re not even afraid of the non-returning dawn.

They’re misbehaved and unkept.

 

To hold the hand of cinicism.

– a tired hand,
full of lines and shapes.

Ah, how all thought, deed and past
now seem ridiculous to my eyes.

Yes, the world twirls on..

and somewhere whithin my body lies a memory
of something  (I am) no longer

– to such an extent that it
( I )
never was, had been or wiil be.

Perhaps I had always been another.

Perhaps –
I’m just sleepy………

 

 

 

 

 

 

 

 

 


 

 

 

 

 

 

 

 

 

.


Das ist freundschaft? ………. Lord, how could I forget that which has ailed me for the past week..

One can never be prepared to say goodbye to those whom we hold dear..
It is such a difficult a thing to fathom that it tends to escape all cognisance.

Even a head-on collision can seem to bring a soothing escape from such a matter.

No matter how one tries to turn one’s heart into a cork so as to be capable of floating

above every little thing..

it still sinks..

– it sinks to a bottomless abyss
– to that chasm full of tears and sorrow.

No I shall not say my goodbyes untill the last breath, be it mine, your’s or anyone else’s.

I’ll simply say goodnight and kiss your forehead
(I can handle nothing more, see nothing less, and I refuse to change my nature)

(des)Largem-me!! © Guida Almeida

 

 

Há quem nunca sai do coração..
– quem sempre nos aquece a alma só de pensar nele/nela
Tal como há quem passe por nós sem deixar marca, quem não nos dê respostas e/ou perguntas, quem nada ou pouco nos diz.., há também o oposto disso. Há quem tenha a face, os gestos, as palavras e os silêncios imprimidos para todo o sempre no nosso Ser. ..
.. (tal como todos sabemos) Os nossos amigos são uma família escolhida, assim como alguns familiares “de sangue” também são.. Fazem do nosso “coração”, mesmo que fraquinho seja, uma habitação.. uma casa repleta de “vida”..

 

E tu.., tu que por exemplo assististe ao meu desespero ao ter descoberto que ia tocar isto

perante o seu autor, numa sala ‘semi-ensolarada’ qualquer de ensaios…, que conviveste com tantas lágrimas.., tantos sonhos, risos.. Tu que me conheces tão bem, que com amizade pura és capaz de gozar com todos os meus podres e transformá-los em coisas minúsculas..,

 

fazes-me falta desde antes de nascer.

 

 
– e ainda tenho um presente do meu pai para te entregar, bolas..

Até já..

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

.


A Tree

 

 

 

With and Without The Brackets of Consciousness

 

Each fallen leaf a memory
a past that has been drowned
(a piece of an allegoric pie, a piece of……….)
sanity regained, (re) lost, revived

(who knows?)

swimming   in   rekindled   inexistance,    f r e e

 

 

One is always alone at crucial moments

in an utter state of ‘nothing’

 

 

 

………………………… incapable of taking oneself seriously (Thank God)

 

 

 

 

 

 

 

 

 

.

 

.


Solo

.. Sol o

 

 

 

 

This slideshow requires JavaScript.

 

 

 

 

 

 

(I shall now leave some superfluous accompaniment.. I say this even though I love the musical portion  belowShakti dearly)

 

 

 

 

Solo

 

 

a solo
is what it is
does what it does
is a multiple of one
is multiple or one
it’s multinudenous
alone
it is none (of the above)

 

 

 

 

( the mouth of a river, a star, an East/West fusion..  an “ancient child’s” solo – I leave you with the sound of Shakti to accompany its warm innocence)

 

 

 

 

 

 

 

.. Sol o

 

 

Pendular space
recycled cycles of time that bends
as we circle (our) emotive states of concentric consciousness (consciousnesses)
is ever moving.
East becomes West, West becomes East, but what of it?

That revolving yet ever changing river that is our existence
(that is our existance?) seems to pay little attention to detail.

 

 

 

 

(author’s note: the “solo” originally was only meant to be the photographic slideshow above,
but as always I’m easily sidetracked – thank you for your indulgence)

 

 

 

 

 

 

 

 

.


Sunday

Perhaps. (?)

 

People may or may not care.
(whether friend or lover)
They may say the very same thing to All or to Some regardless of true substance or not.
The only true meaning of Word and Sentiment lies somewhere between Transmission and Reception.

No matter how inane, insignificant or wonderful we are said to be what does one truely know?

I do not believe I can read the Id whether mine or another’s
Perhaps it is an unwillingness to do so. (?)
(and/or)
Perhaps it is but a reason for innocence. (?)

Do we care (are we cared for)?

Does it really matter whether such is “True”?
(even when conviction says it does)

– Doubt is always a close friend even to those who by nature care,
and even if  they may seem to need less nourishment to the ego.
(be one’s wits weak as they may be..)

..also,
no matter how one diminishes one’s capacity to comprehend
one can never truly hide from one’s own “eye”.

Therefore, when attempting to believe what one is told
(no matter the “language”)
– if one is to believe, one must bear in mind the willingness to be mistaken, to lose.. or confound onself.
(or)
If true existence comes from perceiving and being perceived by an Other
– one must not only Be (and reveal oneself), one must be equipped to accept what is seen the Other.

……… thank Goodness for “Oblivion” and “Time”
These two not only can be soothing, they can help perception whether we are willing or capable (or as is usual my case unwilling/incapable) of “sight”.

ah!!!!!! but what do I know?!!

Have a nice week.

 

 

 

 

 

 

.


Palavras antigas e outras………. “Mensagem de ano novo” / New Year’s Message (in Portuguese & English)

« mata-se por fio de vaidade e outro de finíssima e subtil crueza. mais do que incompreender o homem ausenta-se da sua própria realidade incompreendendo o deslumbrante que é sorrir generosamente das vitórias do outro. o mistério é uma coisa terrível que a linguagem acende e unidos e dispersos somos fendas irrisórias. mediadoras porém do impávido racionalismo que nos afasta e aproxima reduz esmaga e recria. como numa ode de Keats onde o sentido gemelar é destruidor e fulgurante. mata-se por um fio de vigilante raiva. sobrevive-se como cavaleiros andantes sobre um chão de espigas e de cardos. simbióticos. original nostalgia de ainda suspender o mal.

bom dia mundo. que somos reis nus. de pés feridos. de alma de árvore.»

de Isabel Mendes Ferreira

 

O que dizer, ou acrescentar, ao que aqui acima está escrito??

Trouxe estas palavras para aqui para inaugurar o dia, o ano,
assim como o Espaço……

Aquele espaço……..,

– o do Homem que teima em (in)existir numa realidade paralela à sua “condição”.

O Espaço, pois……………..

– dentro e fora da dimensão que nos reduz praticamente ao “infinito”, e/ou ao “zero”, conforme o ponto cartesiano ocupado no universo que se desloca num constante “respirar” fora de todas as portas das dimensões, percepitiveis, ou não.

E retomando o que vejo:
um  «espaço,  o do Homem que teima em (in)existir numa realidade paralela à sua “condição”. »

Não, não quero ser injusta.
Sei que não serão, ou não somos todos assim.
E que num ou noutro há ou haverá “mutação(ões)” e/ou migração(ões) entre o que “É” e o que “Não É”.

Mas vejamos……………………,
ou melhor, olhemo-nos bem
– de “dentro” para “fora”,
de fora para dentro, e perguntemo-nos a nós próprios o seguinte (por exemplo):

Com estas duas “realidades” onde está a “Forma” do que “real” é?

Eu às vezes sei, mas felizmente esqueço-me.
Assim na maior parte da minha ocupação no Espaço e no Tempo disto a que por habito chamamos “Universo”
posso dedicar-me ao que considero ser a manifestação do Divino:
O descobrir (redescobrir), encontrar (reencontrar), e sentir o Outro
(dentro e fora das suas e/ou minhas dimensões, conforme o possível, ou o que me é possivel )
– [ ou me é dado [?] a ser possivel ]

Bom, agora deixo o que escrevi na altura em que li as palavras da autora cujo texto cito no início desta publicação.

Ela, assim como outros, afectam-me (felizmente), e muitas das vezes de uma forma que me leva a escrever para me exprimir  (coisa bastante difícil para mim, garanto-vos)

Assim sendo deixo a minha “Mensagem de ano novo”, assim como o desejo de vos ver (a todos) com um ano repleto de ternura, amor do(s) e pelo(s) Outro(s), compaixão e iluminação.

Desejo-vos (alías – “nos”) um mundo melhor, e equipado da solidareidade necessária para sarar o mundo.
Bem hajam.

* Podem até nos estancar o sangue, mas cegar-nos à beleza do outro, isso nunca… ai não.
E pergunto-me, para quê viver sem nos alimentarmos do Outro?
Sabemos que porventura há quem tenha a deficiência da ausência de boca para alimentar a alma, e que assim vegete..

e morre-se..

É uma crueldade tripla esta indignidade, uma inexistência desalmada, (des)almada.

(In)existir ao ter assim a primeira parte do aparelho digestivo tapado por sabe-se lá que mordaças e/ou açaimes, uma que será possivelmente a avareza de espirito, outro, o do desgosto pelo bem alheio será por.. ai!
Eu sei lá?
.. que motivo real poderá haver em tamanha estupidez?
É uma grande chaga cega na existência do Homem.

© Guida Almeida

técnica mista s/tela

____________________________________________________________________________

Bom 2012.

Guida

.


Assim, com estas e com outras coisas, se dá cabo de um planeta..

Blue Liquid Gloves - before the water goes to oblivion..| 2010 © G. Almeida

  • 05 de Abril de 2011

Desde ontem já foram largadas no Pacífico mais de 3400 toneladas

Autoridades pedem desculpa mas vão continuar a despejar água radioactiva para o oceano

05.04.2011 – 08:18 Por Helena Geraldes

Um responsável do Governo japonês pediu hoje desculpas pelo lançamento de milhares de toneladas de água radioactiva para o oceano, uma medida de emergência para tentar evitar o pior. Desde ontem já foram despejadas mais de 3400 toneladas de água para o Pacífico.

Responsáveis da Tepco hoje em conferência de imprensa Responsáveis da Tepco hoje em conferência de imprensa (Foto: Yuriko Nakao/Reuters)

“A água contém um elevado nível de radiação”, disse hoje em conferência de imprensa o porta-voz do Governo, Yukio Edano. “É lamentável. Pedimos desculpas por esta decisão que tivemos de tomar”, disse, citado pela estação de televisão CNN.

Numa outra conferência de imprensa, o ministro japonês da Indústria, Banri Kaieda, informou que o Governo vai tentar não lançar mais água radioactiva para o Pacífico. “Gostaríamos que fosse a última vez.”

Ontem, a Tepco (Tokyo Electric Power Company) começou a despejar para o oceano 11.500 toneladas de água radioactiva, uma operação que durará cerca de uma semana e que pretende libertar tanques de armazenamento para guardar água ainda mais radioactiva que se tem vindo a acumular na central nuclear de Fukushima 1, especialmente no edifício do reactor 2.

Segundo a agência de notícias Kyodo já foram lançadas 3430 toneladas de água com baixos níveis de radioactividade. Banri Kaieda pediu desculpas pelos receios sentidos pela população, especialmente pelos pescadores. Mas garantiu que a medida não coloca grandes riscos para a saúde.

Ainda assim, o ministro Kaieda anunciou que ordenou um reforço à monitorização da radioactividade e ao impacto que terá no ecossistema marinho. Yukio Edano acrescentou que está em cima da mesa a ideia de instalar uma espécie de barreiras para evitar que a contaminação se espalhe demasiado e que o Governo nipónico já informou as autoridades internacionais responsáveis da operação de despejo de água radioactiva para o oceano.

Por seu lado, o ministro da Agricultura, Michihiko Kano, revelou que pretende reforçar as inspecções ao pescado, em cooperação com os governos das províncias de Ibaraki e de Chiba.

Esta medida de emergência é necessária para reduzir o risco de exposição à radioactividade dos funcionários que tentam recuperar o sistema de arrefecimento da central nuclear e facilitar o progresso dos trabalhos.

A Coreia do Sul já disse hoje estar preocupada com o lançamento da água radioactiva para o oceano, noticiou a agência Yonhap, citando responsáveis do Ministério dos Negócios Estrangeiros. “É a proximidade entre os dois países que torna o lançamento desta água numa questão tão premente para nós”, comentou um responsável, em anonimato. Esta fonte disse que ontem a embaixada da Coreia do Sul em Tóquio manifestou as suas preocupações ao Governo japonês, pedindo-lhe medidas para conter os efeitos da radiação nas águas. “Por enquanto, não temos padrões claros para determinar quão má será para nós” aquela medida, acrescentou.

Concentração de iodo-131 estava 7,5 milhões de vezes acima do máximo legal

Entretanto, a Tepco tenta, desde sábado, estancar uma fuga de água altamente radioactiva para o oceano. Hoje, a empresa anunciou que amostras recolhidas no sábado, no mar perto daquele reactor, revelaram concentrações de iodo-131 acima do máximo legal 7,5 milhões de vezes, noticiou a agência Kyodo.

A empresa já usou cimento e materiais altamente absorventes para tentar bloquear a fuga mas não teve sucesso. Hoje começou a injectar silicato de sódio, também conhecido como “água de vidro”.

O sismo e tsunami de 11 de Março fizeram parar o sistema de arrefecimento da central nuclear. Por isso, as autoridades lançaram toneladas de água sobre os reactores, para tentar impedir o aumento da temperatura e o sobre-aquecimento das barras de combustível.

______________________________________________________________________________________

JN
05 Abril 2011
Terramoto no Japão

Fukushima com radioactividade cinco milhões de vezes superior ao limite

11h01m

O nível de iodo radioactivo nas águas marinhas próximas da central nuclear de Fukushima (Nordeste do Japão) é cinco milhões de vezes superior ao limite legal, informou esta terça-feira a concessionária da central, Tepco.

foto Carlos Barria/Reuters
Fukushima com radioactividade cinco milhões de vezes superior ao limite

Também segundo a Tepco, o nível de césio-137 nas águas do mar próximas da central é 1,1 milhões de vezes superior ao limite legal.

Enquanto o iodo-131 tem uma vida média relativamente breve, de oito dias, o período de semi-desintegração do césio-137 é de 30 anos.

Uma amostra recolhida segunda-feira numa área próxima do reactor 2 revelou uma concentração excessiva de iodo, e as análises também mostraram uma presença de césio-137.

Dois dias antes, no sábado, a concentração de I-131 era ainda maior, 7,5 milhões de vezes superior ao limite legal, segundo a Tepco.

Os técnicos que trabalham em Fukushima tentam determinar as vias pelas quais chega ao mar a água radioactiva, que se acredita que provenha do núcleo do reactor 2.

Ler Artigo Completo

Fukushima com radioactividade cinco milhões de vezes superior ao limite

11h01m

Várias zonas das unidades 1, 2 e 3 de Fukushima estão inundadas com água muito contaminada, que dificulta seriamente os esforços dos operários para tentar arrefecer os reactores atómicos, danificados pelo sismo e posterior tsunami de 11 de Março.

Na segunda-feira, a Tepco começou uma operação para lançar ao mar 11500 toneladas de água com um nível de radioactividade 100 mil vezes superior ao limite legal, proveniente das unidades 1 e 3.

Ler Artigo Completo

Regarding political crisis, citizenship and the exercise of democracy

… and with another video of Bruce Cockburn’s 1985 piece “Call it Democracy” and another of José Mário Branco’s 1979 work “FMI” I think of the IMF.

 

 

 

In a time of political, and civic unrest I always wonder when people will understand there is truly another way

I leave you with a country that has found new light

(volto mais logo..)

ICELAND

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

.


nas margens

At The Shores of a Greater Go(o)d… Nas margens de um Deus maior…



 

© Guida Almeida

sitting at the shores, I hurriedly await ,

ah…

here.