Artwork / Paintings / Etchings / Music & Art News / General News

Guida Fine Arts

Again …

Portugal (summer of 2019) – ufffffffffffff….. 


(here – a glance at the autumn of 2017 )

 

 

 

Early in this century, somewhere mid its first decade – the blaze was such that …

(I’ll leave the painting.. it’s easier in place of words…)

Gemeos (painting: by G. Almeida)

 

I wish this painting wouldn’t spring so forcibly to mind, due to events these past summers.
If only our ruling class had a conscious, now wouldn’t that be something?
But, I suppose aiding fire instead of fighting it, is interesting for some reason..
If only I could say that these past governments seem to have no conscience – the present along with the one that governed previously.
(the President is just as much a fool as either, but that is expected of course. Hah! – and the previous Pres. to Mr. Rabelo de Sousa, a Mr. Silva – when he had previously been in office as reigning PM had his ruling class of dingbats, among other major abuses, extinguish the entire force of Forrest Rangers. How’s that for a prelude, eh? )

Apparently we’re all expected to sit like mutton eagerly waiting to be sheared or the slaughter-house.

I was going to place a song by Sting, called ”Lithium Sunset”, to be slightly ironic.
The thing is, whilst the land and its people are so utterly disrespected – indeed held in contempt by said elected officials – while the flames scorch us to kingdom come – (hard not to imagine it pleasing them seeing the sad death count of people, not to mention the death so many animals and the terrain turned to ashes. It’s truly more and more difficult not imagining it pleasing the scoundrels.  Can’t even send them back to Sandbox (an important kindergarten class, tis true)  – because, for sure, they’d  take over surreptitiously (or ostentatiously even, in an apparent flamboyance to convince other kindergarteners of their expertise), sell all the sand and have it turned it into condos. – in no time flat.

No, I’m treating them with too much kindness, I know this, but I don’t wish to word what I’d really like to call them.  Let’s just leave the noun ”scoundrels” as being suffice.

Advertisements

…..em tom de fuga

 

 

India_Ink_on_paper_GuidaAlmeida03_2016
Ink on paper, Guida Almeida – 03 / 2016

 

Vincent_van_Gogh_-_Sunflowers_(Metropolitan_Museum_of_Art)
 Two Sunflowers –  oil on canvas, Van Gogh 1887 

 

enamelRedAndIndiaInkOnPaper_GuidaAlmeida_03_2016
 mixed media on paper, 33,5cm x 42cm, G. Almeida, 03 / 2016

 

Vincent_van_Gogh_-_Bloeiende_pruimenboomgaard-_naar_Hiroshige_-_Google_Art_Project
 Bloeiende pruimenboomgaard  (naar Hiroshige) – oil on canvas, Van Gogh 1887

 

1890-Vincent-Van-Gogh-Amandier-en-fleurs-Huile-sur-Toile-73x92-cm-Amsterdam-Rijksmuseum-Vincent-Van-GoghAlmond Tree Blossoms – Vincent Van Gogh,  oil on canvas,1890

 

blossomsPhotoGuidaAlmeida
photo – G. Almeida
sans titre_parJeanPaulRiopelle1955

 

 (Ink & Watercolour on paper,
Jean Paul Riopelle 1955)

 

 

FuguedPoemGuidaAlmeida___March2016

 

Hapi’s sibling – iseetheriverbeforeme – Flowing in Prayer form : originally posted elsewhere April 2013, by G. Almeida ,
is a ”fugued ” poem  
 for better reading -please click on the image to zoom in

 

 photo___GuidaAlmeida
 photo – G.Almeida

 

 Peacocks_and_Peonies_I_and_II_(LaFarge)JPG
(detail of photo taken by James Steakley, of)  Peacocks and Peonies I and II  – stained glass, John LaFarge  1882

 

monet.wl-clouds
 Water Lilies – oil on canvas, Monet 1903

 

 1225px-Vincent_van_Gogh_-_Banks_of_the_Seine_with_the_Pont_de_Clichy_in_the_Spring_(1887)River Bank in Springtime / Banks of the Seine with the Pont de Clichy in the Spring –  oil on canvas, Van Gogh 1887 

 

Bach
Bach Bach
Bach Bach Bach Bach
Bach Bach Bach Bach Bach Bach Bach Bach
Bach Bach Bach Bach Bach Bach Bach Bach Bach Bach Bach Bach Bach Bach Bach Bach
Bach Bach Bach Bach Bach Bach Bach Bach
Bach Bach Bach Bach
Bach Bach
Bach
ᙠɒɔʜ ᙠɒɔʜ
ᙠɒɔʜ ᙠɒɔʜ ᙠɒɔʜ ᙠɒɔʜ
ᙠɒɔʜ ᙠɒɔʜ ᙠɒɔʜ ᙠɒɔʜ ᙠɒɔʜ ᙠɒɔʜ ᙠɒɔʜ ᙠɒɔʜ
ᙠɒɔʜ ᙠɒɔʜ ᙠɒɔʜ ᙠɒɔʜ ᙠɒɔʜ ᙠɒɔʜ ᙠɒɔʜ ᙠɒɔʜ ᙠɒɔʜ ᙠɒɔʜ ᙠɒɔʜ ᙠɒɔʜ ᙠɒɔʜ ᙠɒɔʜ ᙠɒɔʜ ᙠɒɔʜ
ᙠɒɔʜ ᙠɒɔʜ ᙠɒɔʜ ᙠɒɔʜ ᙠɒɔʜ ᙠɒɔʜ ᙠɒɔʜ ᙠɒɔʜ
ᙠɒɔʜ ᙠɒɔʜ ᙠɒɔʜ ᙠɒɔʜ
ᙠɒɔʜ ᙠɒɔʜ
ᙠɒɔʜ
ᗷɐⅽµ ᗷɐⅽµ
ᗷɐⅽµ ᗷɐⅽµ ᗷɐⅽµ ᗷɐⅽµ
ᗷɐⅽµ ᗷɐⅽµ ᗷɐⅽµ ᗷɐⅽµ ᗷɐⅽµ ᗷɐⅽµ ᗷɐⅽµ ᗷɐⅽµ
ᗷɐⅽµ ᗷɐⅽµ ᗷɐⅽµ ᗷɐⅽµ ᗷɐⅽµ ᗷɐⅽµ ᗷɐⅽµ ᗷɐⅽµ ᗷɐⅽµ ᗷɐⅽµ ᗷɐⅽµ ᗷɐⅽµ ᗷɐⅽµ ᗷɐⅽµ ᗷɐⅽµ ᗷɐⅽµ
ᗷɐⅽµ ᗷɐⅽµ ᗷɐⅽµ ᗷɐⅽµ ᗷɐⅽµ ᗷɐⅽµ ᗷɐⅽµ ᗷɐⅽµ
ᗷɐⅽµ ᗷɐⅽµ ᗷɐⅽµ ᗷɐⅽµ
ᗷɐⅽµ ᗷɐⅽµ
ᗷɐⅽµ
ʜɔɒᙠ ʜɔɒᙠ
ʜɔɒᙠ ʜɔɒᙠ ʜɔɒᙠ ʜɔɒᙠ
ʜɔɒᙠ ʜɔɒᙠ ʜɔɒᙠ ʜɔɒᙠ ʜɔɒᙠ ʜɔɒᙠ ʜɔɒᙠ ʜɔɒᙠ
ʜɔɒᙠ ʜɔɒᙠ ʜɔɒᙠ ʜɔɒᙠ ʜɔɒᙠ ʜɔɒᙠ ʜɔɒᙠ ʜɔɒᙠ ʜɔɒᙠ ʜɔɒᙠ ʜɔɒᙠ ʜɔɒᙠ ʜɔɒᙠ ʜɔɒᙠ ʜɔɒᙠ ʜɔɒᙠ
ʜɔɒᙠ ʜɔɒᙠ ʜɔɒᙠ ʜɔɒᙠ ʜɔɒᙠ ʜɔɒᙠ ʜɔɒᙠ ʜɔɒᙠ
ʜɔɒᙠ ʜɔɒᙠ ʜɔɒᙠ ʜɔɒᙠ
ʜɔɒᙠ ʜɔɒᙠ
ʜɔɒᙠ

Bach Bach Bach Bach Bach Bach Bach Bach Bach Bach Bach Bach Bach Bach Bach Bach
Bach Bach Bach Bach Bach Bach Bach Bach
Bach Bach Bach Bach
Bach Bach
Bach
Bach Bach
Bach Bach Bach Bach
Bach Bach Bach Bach Bach Bach Bach Bach
Bach Bach Bach Bach Bach Bach Bach Bach Bach Bach Bach Bach Bach Bach Bach Bach

 

 

IndiaInkOnPaper_GuidaAlmeida_03_2016
ink on paper, 42cm x 33,5cm, G.Almeida, 03 / 2016

 

 Vincent_van_Gogh_-_Sunflowers_(Metropolitan_Museum_of_Art)Two Cut Sunflowers – Van Gogh, oil on canvas, 1887

 

mixedMediaOnPaper_GuidaAlmeida_03_2016mixed media on paper, 33,5cm x 42cm, G. Almeida, 03 / 2016

 

   Bach is a four letter word, as is the word in Portuguese for fugue. As it happens, in Portuguese – fugue, has another meaning. It means ”a leak”, an escape”  or ”to run”, as well.
So, I’ll just leave this post here and make a «fuga», go ouside and smell some flowers while I can.
I hope you have a lovely Spring.

Naturally, the beginning of Spring not only makes one think of flowers (and a ”reawakening” of the planet (that in truth doesn’t sleep, though it may seem to…) as it enters the season), the equinox landing on what during Bach’s time was his birthday brings to mind a poem first written in the end of March of 2013 (I call it  a ”fugued poem” because it reads also from the bottom line up, through every other line, from the centre out, from ”out” to ”centre”, or exchanging the three groups of four lines between themselves).
The days at the end of the month bring to mind what we now call Bach’s birthday, and also other birthdays (one very dear to my heart, and also Van Vogh’s).

How could I make a Spring post and not place Bill Evan’s – ”You Must Believe in Spring”?

 

I can’t.

 

 

 

 

 

 

 

 

 

And as I think of the planet’s apparent  ”reawakening”, as I mention above, and the authors that come to mind (those in this post, and another, who would have also celebrated a birthday at the end of the month..) how could I not include a sample of a new recording called – Gaia ?

I can’t.

 

 

 

 

 

Wishing all a wonderful Spring
♥ Take care.

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

.


Compact & Extensive ‘Drawing’ Seminars 2012 | Curso Intensivo de Desenho * 2012

 

 

DesenhoPDF: para informação sobre os cursos de desenho (2012) – LINK

 

 

 

 

 

Desenho 

curso intensivo e alargado

telefone: 962253827 (tmn) * 963425255 (meo) * 914450669 (Vodafone) – no horário de expediente

email – maria.mfa.costa@gmail.com

http://www.guidarte.wordpress.com

http://guidarte.blogspot.pt/2012/06/art-show-class-of-20112012-torres.html

DesenhoPDF: para informação sobre os cursos de desenho (2012) – LINK

 


Miguel Portas – a heartfelt farewell

One of the extremely rare times I’ll ever shed a tear for the loss of someone in the world of politics.
I do it not solely on account of a sense of friendship or compassion,
but mostly for our having lost a man of his stature and moral character.
The world needs more like him.I truely grieve his passing and in his case it would have always been a premature departure.
To Miguel Portas –

Miguel

 

(video clips with English dubbing)

 

 

 

 

 

 

 

videos (em Português)

 

 


– 14 de Janeiro, de 2011

 

– 11 de Maio, de 2011

 

 


– 10 de Fevereiro, de 2012

 

 

de 2008

 

 


– (a data de se ter carregado este video para a internet é de Fevereiro de 2010)

 

 

 

 

 

 

 

 

.

( from last Wednesday’s post  in – GUIDA  FINE  ARTS – escito na Quarta-feira passada no blogue )

 

 

 

« Quarta-feira, 25 de Abril de 2012

April 25 (To the streets……….) & a very hard farwell

 

( 1 de Maio – 1958 /  24 de Abril )
Miguel

To the streets I take my unbelieving body
to the streets..
(This blogue shall temporarily cease – Thank you for reading – Take care) » 

.
.

( Miguel Portas – fotogtrafia de Dionisio Leitão)
para ver o original – http://farm1.static.flickr.com/151/356088093_a5f0bd936c_o.jpg

 

 

 

 

.

(e de –  José Manuel Pureza )

« Aprendi do Miguel, talvez como de ninguém mais, o significado de “vida em abundância”. Foi sempre por essa vida para todos que ele lutou. E foi essa vida que ele viveu. O Miguel sabia que a diversidade do mundo era o melhor dos antídotos contra as vidinhas mesquinhas e fechadas. Partiu hoje para uma viagem sem destino. Deixou-nos um sorriso e muitos desafios. Um abração, pá! »

(De seguida – informação sobre o velório, e missa, citando directamente Catarina Portas)

 

« A todos os que se quiserem despedir e lembrar o Miguel Portas:

O velório decorrerá amanhã, sábado, entre as 15h00 e as 19h00, no Palácio Galveias, Campo Pequeno.

Uma sessão evocativa acontecerá no Jardim de Inverno do São Luis, no domingo, entre as 14h30 e as 17h00.

Uma missa será rezada pelo Padre Peter Stillwell, a pedido da sua mãe, no domingo às 17h30, na Igreja do Sagrado Coração de Jesus que o nosso pai desenhou, na Rua Camilo Castelo Branco, ao Marquês de Pombal, Lisboa. »

 

 

 

 

 

 

 

(deixo aqui um abraço solidário aos pais, filhos e irmãos)

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

.


“A União Humanitária dos Doentes com Cancro presta consultas de clínica geral gratuitas e abertas a toda a população, todas as quartas-feiras.” (from – GUIDA FINE ARTS) – regarding the free medical appointments for treating/discovering Cancer

Below was  copied and pasted from the original post @
(retirado daqui)
«GUIDA  FINE  ARTS»

…………………………………………………………

Quarta-feira, 14 de Março de 2012

“A União Humanitária dos Doentes com Cancro presta consultas de clínica geral gratuitas e abertas a toda a população, todas as quartas-feiras.”

(EN) The following message in Portuguese is regarding the free medical appointments for treating/discovering cancer in anyone. It is for the general public at large and concerns public health & well being. Please help by disseminating the message.

(PT)

Tomei conhecimento desta mensagem graças à página de uma amiga na rede social “facebook”
(Emiliana Silva)

«*Consultas gratuitas de clínica geral*
*Exmo(a). Senhor(a)*,**
A União Humanitária dos Doentes com Cancro presta consultas de clínica geral gratuitas e abertas a toda a população, todas as quartas-feiras.
Conscientes de que o êxito desta valência depende unicamente da sua divulgação, de modo a que todos os doentes tenham conhecimento e assim
oportunidade de beneficiar deste apoio, face aos nossos escassos meios (pois todos os apoios que a União presta são inteiramente gratuitos),
vimos pelo presente apelar à sua solidariedade e desde já muito agradecer:· *A divulgação desta notícia por todas as pessoas do seu conhecimento, familiares e amigos.*

· *O reenvio deste e-mail para todos os seus contactos pessoais, com o objectivo de que, mediante uma grande rede de solidariedade na Internet, esta notícia chegue ao conhecimento de toda a população.

 

Para um completo conhecimento da União Humanitária dos Doentes com Cancro, muito agradecemos a visita ao nosso site, em http://www.doentescomcancro.org/, um site completo e interactivo, com toda a informação sobre os apoios gratuitos a doentes com cancro e seus familiares, o cancro, a legislação, o tabagismo e as últimas notícias de âmbito oncológico.

 

Colabore com a União nesta nobre causa. O cancro, pela sua dimensão – a segunda causa de morte no nosso país e a primeira no grupo etário entre os 35 e os 64 anos – é uma doença e uma problemática que a todos diz respeito e que só poderá ser vencido com a mobilização de toda a sociedade.

Gratos pela sua solidariedade, subscrevemo-nos com estima e elevada consideração,

Luís Filipe Soares

*União Humanitária dos Doentes com Cancro*

Presidente da Direcção

Tel.: 213940302»

 

 

For absolutely no other reason other than this object/image being very dear to me, I share it – From my grandniece Jessica

oh, ok.. ok… it’s true, it makes this “web space” of mine much prettier 🙂

 

………………………….

HaVE   a  nice  day & thank you for reading
G. A.
(obrigada)

.


October 5 – 5 de Outubro

(a post in English & em Português..)

Before I begin regarding October 5th it has occurred to me that I let pass a day I hold very dear.
The day that saw the birth of Mohandas Karamchand Gandhi – October 2nd
( 1869 )

“I will give you a talisman. Whenever you are in doubt, or when the self becomes too much with you, apply the following test. Recall the face of the poorest and the weakest man [woman] whom you may have seen, and ask yourself, if the step you contemplate is going to be of any use to him [her]. Will he [she] gain anything by it? Will it restore him [her] to a control over his [her] own life and destiny? In other words, will it lead to swaraj [freedom] for the hungry and spiritually starving millions?
Then you will find your doubts and your self melt away.”

– One of the last notes left behind by Gandhi in 1948, expressing his deepest social thought. (exact words as taken from Here )

“A minha vida é um Todo indivisível, e todos os meus actos convergem uns nos outros; e todos
eles nascem do insaciável amor que tenho para com toda a humanidade.”

“A única maneira de castigar quem se ama é sofrer em seu lugar.”

Mahatma Gandhi

EN.
After the sinking in of this recent Nobel for Physics (LINK to the National Geographic article posted yesterday)
regarding a subject matter I’ve found to be highly fascinating these past few years, I leave you with a detail of one of the pieces of a project I’ve been working on this past week.. part of the 3rd work within a series of 5.

Today having been a National holiday commemorating the onset of the country becoming a Republic (Portugal), I post the above image of a ‘darkness’ along with a pair of video clips containing actual footage of the event back in 1910.

I also share a Link to today’s post in the Blog GUIDA  FINE  ARTS containing a brief summary of my thoughts regarding this year’s commemoration – to view please click on the link here or just above this (on the blog’s name)

I now thank you for reading and wish all a fine October 5.

This slideshow requires JavaScript.

_____________________________________________________________________
PT
Agora sobre os “brandos costumes” do país..
Peço desde já perdão por não me traduzir, e espero que o que acima está escrito não seja difícil de entender.
Peço-o embora saiba que a maioria de quem Português fala sabe inglês (assim julgo), assim continuo em vez de traduzir-me, com algo que parece complementar o que escrevi mais cedo no Blogue que referi – “GUIDA  FINE  ARTS”

Cito um pouco do artigo na revista Visão (acho que vale a pena o ler todo) do final de Agosto, artigo que acabei de ler já no fim do dia, e apôs ter escrito no blogue que referi, e no qual assim mostra como se manipula a memoria colectiva de um povo..
Assim deixo-vos com o que se segue:

VISÂO
(trechos do artigo escrito por  Luís Almeida Martins  11:41 Quarta feira, 24 de Ago de 2011

Para ler mais – clicar AQUI )

MENTIRA N.º 1

Portugal é um país de brandos costumes

Não é verdade. Só nos séculos XIX e XX, contam-se por milhares os mortos em guerras civis e revoluções. Foi o Estado Novo que inventou o chavão, numa operação de ação psicológica 

Naquela manhã de céu azul, a capital acordou ao som do canhão.

Erguiam-se barricadas, o vizinho lutava contra o vizinho, com soldados pelo meio e bandeiras nacionais de ambos os lados. Ao final do dia, muito sangue tinha corrido nas valetas e contavam-se uns 200 mortos e mais de um milhar de feridos. Este quadro não diz respeito a um país distante nem a uma época remota do passado. Aconteceu há menos de cem anos, no dia 14 de maio de 1915. Em Lisboa, capital de Portugal. Num país de “brandos costumes”.

Se mais exemplos não houvesse, este bastaria para derrubar a tese da “brandura” dos nossos hábitos e procedimentos, posta a circular pelo Estado Novo salazarista. Mas as demonstrações de aspereza de costumes podem multiplicar-se até à exaustão.

Comecemos pelo caso acima referido. O levantamento de maio de 1915, liderado pelo grupo dos chamados “Jovens Turcos”, dirigia-se contra a “ditadura” de Pimenta de Castro, um general mandatado três meses e meio antes pelo presidente Manuel de Arriaga para governar com o Parlamento encerrado.

Jovem Turquia era o nome de uma loja maçónica de que faziam parte políticos, civis e militares. O seu objetivo repor a plena vigência da Constituição de 1911 seria alcançado, levando à imediata transmissão dos poderes para uma Junta Constitucional composta por cinco “jovens turcos”, todos afetos à entrada de Portugal na Primeira Guerra Mundial, uma medida preconizada por Afonso Costa, o líder do Partido Democrático.

LINCHAMENTO DE UM SENADOR

No dia 17, esta junta preparava-se para transmitir por sua vez o poder a um novo Governo, que seria chefiado pelo dirigente do PD João Chagas. Porém, nesse mesmo dia, Chagas era atingido a tiro num olho pelo advogado e senador João José de Freitas, quando se encontrava na estação ferroviária do Entroncamento, dentro do comboio que o transportava do Porto para Lisboa. Chagas ficou parcialmente cego e Freitas foi ali mesmo linchado por um grupo de populares de que fazia parte um soldado da GNR. Brandos costumes?…

Poucos anos antes, nos dia 4 e 5 de outubro de 1910, a revolução que derrubara a Monarquia e implantara a República fizera, também em Lisboa, entre 60 e 70 mortos e cerca de 500 feridos. Tinham sido erguidas barricadas na Rotunda (Marquês de Pombal) e um cruzador bombardeara o Palácio das Necessidades, onde o jovem rei D. Manuel II jogava o bridge com alguns cortesãos. Um dos obuses da Rotunda, disparados no enfiamento da Avenida de Liberdade, pegou fogo a um prédio. As (poucas) forças leais à Monarquia, comandadas por Paiva Couceiro, investiram primeiro pelo lado de Campolide, e depois a partir do alto do Torel.

O Rossio era um acampamento de soldados, com as armas ensarilhadas. O rei, a mãe e a avó passariam a noite em Mafra, de onde seguiriam para a Ericeira para embarcar rumo ao exílio. Automóveis com revolucionários dentro perseguiram-nos ainda pela estrada do Sobreiro.

REI E PRESIDENTE ASSASSINADOS

D. Manuel II, de 20 anos, sucedera 32 meses antes ao pai, D. Carlos, assassinado em pleno Terreiro do Paço a 1 de fevereiro de 1908. A meio da tarde desse dia, sob um pálido sol de inverno, o penúltimo rei de Portugal e o príncipe Luís Filipe, herdeiro do trono, tinham sido assassinados a tiro quando seguiam num landau, pouco depois de terem desembarcado do vapor do Barreiro, no regresso do palácio de Vila Viçosa. O eco dos disparos de Manuel Buíça e Alfredo Costa, dois membros da sociedade secreta Carbonária, abalou a vida política nacional e anunciou para breve o advento da República, mas o regicídio foi considerado na altura pelos lisboetas quase como algo de natural. Sabe-se agora que se tratou de um plano articulado, que envolvia além dos carbonários muitas outras pessoas, algumas altamente colocadas. Numa reportagem publicada pelo New York Times em julho desse ano lia-se: “Diz-se que a rainha Amélia reconheceu num dos assassinos um proeminente líder político, mas guarda firmemente o seu segredo.”

Implantada a República, em 1911 e 1912 grupos de monárquicos exilados em Espanha entraram em pé-de-guerra pelo Norte de Portugal, cercando vilas, investindo aldeias, aliciando camponeses e pastores para a causa derrotada.

Depois, entre 1915 e 1925 foram numerosos os movimentos militares em defesa da República democrática ou contra ela.

Um dos golpes triunfantes, o de Sidónio Pais, inauguraria no final de 1917 um ano de ditadura que terminaria com a morte a tiro, na Estação do Rossio, daquele a quem Fernando Pessoa chamara Presidente-Rei.

Era o segundo assassínio de um Chefe de Estado português em menos de 11 anos, depois do regicídio que vitimara D. Carlos.

UMA GUERRA ESQUECIDA

Ainda os tiros que tinham vitimado Sidónio ecoavam no Rossio, e já na outra ponta da linha férrea que dali partia no Porto era restaurado o regime monárquico.

Em Lisboa, os republicanos formaram um executivo obedecendo à Constituição de 1911, mas as Juntas Militares conservadoras não se conformaram e exigiram “um governo de força”. Contavam para isso com o apoio dos civis que giravam em torno do Integralismo Lusitano, de extrema-direita.

O deposto rei D. Manuel II não só acompanhava tudo com a máxima atenção a partir do seu exílio inglês como dera mesmo luz verde à movimentação monárquica. A ideia dos insurrectos era estender as suas movimentações a todo o País, mas as Juntas Militares de Lisboa mostraram-se divididas. Porém, a 22 de janeiro de 1919 uns 70 monárquicos hasteavam a bandeira azul e branca na antena telegráfica do alto de Monsanto.

Ali acabariam por ser cercados e desfeiteados por militares e civis leais à República. Mas não terminou aqui a guerra civil de 1919. Só a 13 de fevereiro, depois de combates no litoral centro do País, é que as forças republicanas entraram na Invicta e puseram termo à efémera Monarquia do Norte.

(…) ler mais
UM AGITADO SÉCULO XIX

Muito antes de tudo isto, ao longo do século XIX, sucederam-se as lutas civis -com batalhas e numerosas vítimas e as revoluções. Primeiro, logo após o curto fogacho liberal de 1820, a grande guerra que opôs de 1832 a 1834 os absolutistas de D. Miguel aos constitucionalistas de D. Pedro, e em que participaram navios e mercenários estrangeiros.

Depois, a revolução de setembro de 1836 e, na década seguinte, uma nova guerra civil com intervenção exterior a Patuleia. Perto do final do século, a tentativa frustrada de revolução republicana, no Porto, deixou estendidos na Rua de Santo António uma dúzia de mortos e quatro dezenas de feridos.

Não vale a pena recuar mais no tempo para demonstrar que os costumes portugueses nunca foram brandos. Se o fizéssemos, seria apenas para recordar os clarões sinistros das fogueiras da Inquisição ou para lembrar os múltiplos linchamentos na rua de pessoas suspeitas de “jacobinismo”, durante as Invasões Francesas de há 200 anos. Ou ainda, na mesma época, o esquartejamento do general Bernardim Freire de Andrade quando, em Braga, ordenou o recuo estratégico das milícias para o Porto.

Foi para contrabalançar esta tradição portuguesa da violência política que o Estado Novo criou o estereótipo do “país de brandos costumes”. A cabeça das pessoas “faz-se”, e o regime ditatorial dispôs de quase meio século para moldar ao seu gosto pelo menos duas gerações.

Ler mais: AQUIBoa noite, a todos.

Júlio Resende . . . (today is a sad day for Art)

Lugar do Desenho

The vision of the place

“The accumulation of folders and drawing pads, records of experiences (so many!) awoke in me the need for a dispassionate reflection on what their fate should be.
Distance in time and space allowed me to judge the consistency of material in the light of a course that befell me by obscure laws – and I felt no “pain” at destroying a large number of these drawings; the old muffle in the studio would bear witness to this had it been able to speak….
I was relieved to observe that as soon as the hesitations along the way were eliminated, that course, that started in the 1930s and covered 60 years, and whose main Expressionist characteristic necessarily matched my own nature as a man, would become clearer.
I confess that in my mind there was a desire to maintain the integrity of the collection and that would be enough for me. My friends did not agree; they argued that this material could set an example, amongst many others, perhaps worthier, and they would find a way, and a space, for it. Hence the creation of “Lugar do Desenho” and the Foundation with that institutional weight that has always been alien to me. However, if “Lugar do Desenho” corresponds to the aims I have always striven towards, so be it! Let Drawing be understood in its widest sense and not simply restricted to the Plastic Arts but to all creative attitudes of Man. It is not the monopoly of a particular time or a society. Drawing is the expression of a consciousness that distinguishes it ”

home > júlio resende > the vision of the place

The video-clip below can be found in Guida Fine Arts, posted in February 2010.

(Also) Spoken by the man in a video clip of an interview as can be seen in the following Post: GUIDA FINE ARTS, August 2010
The video-clip shows the man at age 92 still bright and working energetically, painting every day, an activity that came as naturally (in his own words) as the act of breathing.

Today is a very sad day for Art as well as for Portugal.

(Júlio Resende – 1917 | 2011)


September 11

Fotografia de Alice Valente Alves – photographer
Fotografia de ALICE VALENTE ALVES – photographer

This stunning image above is a full colour fotograph taken by Alice Valente Alves of a misty grey NYC dawn. ___________________________________________
In an age of intolerance and rampant police state tactics across the globe…
A decade ago from this day we have lived in such an age, or at least such is and has been manifest thenceforth to a far higher degree than ever before.
This was a day for change on a global level in many aspects and one could instantly feel it as the day’s events unfolded.. as one watched in a stupified, alarmed daze helplessly witnessing horror – perpetrated by mindless predjudice that walks about hand in hand with intolerance.

Reminded by a friend moments ago, an equally horrid day was this precise day – September 11, in 1973
with the assassination of Salvador Allende and the horridic reign of treachery that ensued.
Truly a day of intolerance.. whereupon a fraction of Mankind rears it’s ugly head and wreaks terror upon all others.

Any mind that is blinded by greed, hatred or predjudice withers and dies.
It becomes a feable shell full of worthless quotation and campaign, incapable of sustaining a thought of its own – a helpless cripple that succumbs to the poisons of Man and the false notion of superiority.

There is no honour in terror. In terror there is only terror – and emptiness.

I leave below a painting created almost a year after these deadly and cruel occurrances 10 years ago and videos of two pieces by Charlie Haden as a token of just homage not only to the victims of terror of this day, but victims everywhere that succumb to intolerance, greed and blood thirsty scavengers. The image (the painting here at the bottom) is also a protest to how this world has become dystopic, and how lust for power and greed keep murdering people through: hunger, physical torture/strife, racial/religeous saction of all kinds, blind fanaticism, neo-liberal slaveries and the ill use of “slogan” in order to perpetuate intolerable manipulation (to confuse and confound all around). This post is in memory to the victims of the day, and to Man’s struggle to keep a sound soul.. in an age of cold “fake” cash.

I also leave videos of the man

and

plus a piece by Charlie Haden performed by his Liberation Music Orchestra on David Sanborn’s Nightmusic

and his “Silence”

I further leave a link with a tribute to the Hudson River School of painters GUIDA FINE ARTS

– and below this
– my “Ab ovo: IV”


Utter Agony

Namelessness (or: Used to be called P…)
INSPIRED BY UP COMING ELECTIONS and SALVATION AT THE HANDS OF IMF (among others) :
By clicking on the above link, or on the following caption, one can view where I originally posted this work,
and my thoughts at the time of doing so (although these beliefs come from way beforehand, I posted it back in January)

«

Quarta-feira, 12 de Janeiro de 2011

23 de Janeiro – Estamos quase a celebrar mais um dia de todos os santos.. pois

Coitadinha dela, da democracia, que ‘jaz morta e arrefece’..

Tivemos de Abril 1974 a Nov. de 1975 um cheiro dela, mas foi alvejada.. e mortalmente ferida.

»

– from GUIDA FINE ARTS

… and

Quarta-feira, 6 de Abril de 2011

Sovereignty – April 6th 2011 (in what appears as a predetermined auction)

Eremita / Hermit : © Guida Almeida

… after years of hard work and labour by the nation’s leading political forces, another step has been attained  towards fulfilling the  objectives of those who run the world..We’ve just been sold “wholesale”.

Now that I’ve been fully domesticated,
just like my owners want me to,
back into a deep sleep..
Now that I’ve been fully domesticated,
I go where my masters bid me,
to oblivion..
Now that I’ve been fully domesticated,
I comply,
I ly down.
Eremita / Hermit :  © Guida Almeida
Publicada por Tulip em 22:06

 

I stand corrected what I had written as being «we’ve just been sold wholesale» should read  «we’ve just been *LIQUIDATED*»

 

_______________________________________

next:

Olli Rehn e Trichet apelam a menos diálogo na praça pública em Portugal
09 Abril 2011 | 19:49
Jornal de Negócios  com Lusa

(…)

O comissário europeu para os Assuntos Económicos e Financeiros e o presidente do Banco Central Europeu pediram aos líderes portugueses para falarem menos na praça pública. É preciso trabalho a sério, calmo e rápido, alertaram.

“Para o bem de Portugal e para o bem da Europa, preferia não ter de dialogar na praça pública todos os dias com os dirigentes de Portugal”, disse hoje, citado pela Lusa, o comissário europeu dos Assuntos Económicos. Olli Rehn fez estas declarações no final de uma reunião de dois dias dos ministros das Finanças Europeus (Ecofin) em Godollo, a cerca de trinta quilómetros de Budapeste.

Um alerta no mesmo sentido foi feito pelo presidente do Banco Central Europeu Jean-Claude Trichet. Afirmando que fazia “eco da totalidade” das afirmações de Olli Rehn, Trichet afirmou que o que é preciso “é trabalho sério, certamente não em público, feito com base em todas as sensibilidades (políticas) “.

Olli Rehn defendeu que “é importante que, em conjunto com as autoridades portuguesas, ora com o Governo ora com a oposição e com outros actores-chave, como o Presidente da República (…), consigamos definir uma estratégia que garanta um acordo rápido com todas as partes quanto a um programa de ajustamento orçamental”.

E voltou a insistir apelando: “Comecemos agora a trabalhar de forma calma e rápida, não tenhamos diálogos na praça pública todos os dias, concentremo-nos no trabalho de preparação deste programa”.

A ajuda financeira a Portugal, que terá de chegar até Maio na sua primeira tranche, só será concretizada depois de um entendimento entre os partidos do arco da governação – PS, PSD e CDS – quanto a um programa de redução do défice público.

Os líderes europeus não aprovarão a ajuda sem que os partidos que possam vir a integrar o Governo que sair das eleições de 5 de Junho assinem um documento comprometendo-se, no mínimo, a concretizar as medidas necessárias para reduzir o défice público para 4,6% este ano, 3% em 2012 e 2% em 2013.

Alguns países como a Finlândia – também em plena campanha eleitoral e de onde é originário Olli Rehn – estão a ser mais exigentes com Portugal do que no passado, na sequência do que se passou com a inviabilização do PEC IV.

O Programa conhecido como PEC IV mereceu a aprovação e o elogio público de dirigentes europeus e de responsáveis da EU, como o próprio Olli Rehn e Jean-Claude Trichet, que defenderam que Portugal não precisava de ajuda financeira.

O valor indicativo do pacote de ajuda financeira a Portugal é de 80 mil milhões de euros por três anos e foi aprovado nas suas linhas gerais no Ecofin que decorreu em Godollo, perto de Budapeste, na Hungria, o países que exerce a presidência rotativa da União Europeia. A primeira tranche do apoio financeiro tem de chegar a tempo de o Estado pagar a dívida de quase cinco mil milhões de euros que se vence a 15 de Junho.

(…)